terça-feira, 31 de maio de 2011

Foi mal



Semana passada eu estive no curso pré-vestibular Unificado conversando com alguns professores e pais de alunos, e entre vários assuntos debatidos surgiu um que tem preocupado a todos: a liberalidade que certos jovens conquistaram em casa e estão exibindo nas ruas. 

Longe de qualquer moralismo, o fato é que é alarmante que uma garotada de 12 ou 13 anos já esteja frequentando festas com álcool – às vezes liberado pelos próprios pais, que se rendem ao manjado argumento: "Pô, todos os meus amigos podem!". Ah, então tudo bem.

Juventude sempre foi sinônimo de "viver perigosamente"; esperto era quem esnobava a morte e se divertia com o risco. Essa rebeldia já teve seu seu charme, eletrizava. Só que o passado passou, hoje vivemos numa sociedade muito mais violenta, e dar uma de valente, se ainda impressiona, é pela inconsequência e babaquice, por nada mais.

Alguns acontecimentos dos últimos tempos deixaram claro que os jovens, hoje, correm riscos de gente grande. Primeiro foi aquele caso da Eloá, a menina de 15 anos que namorava um desajustado há três. Pra mim, dos 12 aos 15 ainda se é praticamente uma criança. 

Como alguém nessa faixa etária vive uma relação com uma carga de passionalidade tão intensa, tão adulta? Enfim, a menina foi uma vítima, lógico, mas cabe a nós, pais e mães, colar neles: com quem se envolvem, o que revelam através do Orkut, a quem estão se anunciando? 

A propósito, soube que há uma nova moda pegando na Austrália: as garotas vão para a praia com o número do celular pintado nas costas. Um convite pra encrenca. Mais um.

Outra notícia desalentadora foi a do menino de 18 anos que faleceu por causa de uma bala perdida disparada numa festa. Acontece todos os finais de semana em bairros da periferia, mas quando atinge um estudante universitário a visibilidade da notícia se expande. 

No entanto, o drama e as dúvidas são as mesmas para todas as famílias: quem controla o porte de arma numa festa? E mesmo quando esse tipo de tragédia acontece do lado de fora do recinto, como começa? Creio que a resposta está no início do texto: bebida à vontade para uma garotada em busca de afirmação. 

Infelizmente, muitos adolescentes não são orientados ou não desenvolvem a segurança necessária para ir contra o rebanho. Se todos bebem, eles bebem também. Não sabem se divertir com o entusiasmo que naturalmente possuem, precisam potencializá-lo. Aí exageram e entram num estado de exaltação que faz com que provoquem brigas desnecessárias, façam sexo sem uso de preservativos, dirijam em alta velocidade, ferrem com a própria saúde. Ou com a vida de alguém.

Sei que estou dando uma de madre superiora, mas nunca é demais bater nessa tecla do exagero. O adolescente vai sempre cometer excessos, faz parte da sua natureza, mas o mínimo que os pais podem fazer é não tratá-los como adultos antes da hora.

Nada de aceitar que meninas de 15 se comportem como mulheres vividas, e de aceitar que meninos de 16 cantem de galo. A marcação tem que ser mais cerrada. É proibido dirigir e beber antes dos 18. Ponto final. É inegociável. Não adianta eles chegarem em casa dizendo "foi mal" e no dia seguinte vacilarem de novo. 

Uma briga pode causar uma morte. Um amasso pode gerar uma gravidez indesejada. Um pega pode acabar em tragédia. Foi mal? Pode ser péssimo, crianças.

By Martha Medeiros.

.
segunda-feira, 30 de maio de 2011

O sermão da montanha (versão para educadores)



Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem.

Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens.

Tomando a palavra, disse-lhes:
- Em verdade, em verdade vos digo: felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus; felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.  Felizes os misericordiosos, porque eles... (nesse momento, Pedro o interrompeu).

- Mestre, vamos ter que saber isso de cor?

André perguntou:
- É pra copiar?

Filipe lamentou-se:
- Esqueci meu papiro!

Bartolomeu quis saber:
- Vai cair na prova?

João levantou a mão:
- Posso ir ao banheiro?

Judas Iscariotes resmungou:
- O que é que a gente vai ganhar com isso?

Judas Tadeu defendeu-se:
- Foi o outro Judas que perguntou!

Tomé questionou:
- Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?

Tiago Maior indagou:
- Vai valer nota?

Tiago Menor reclamou:
- Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.

Simão Zelote gritou, nervoso:
- Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?

Mateus queixou-se:
- Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!

Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:
- Isso que o senhor está fazendo é uma aula? Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica? Quais são os objetivos gerais e específicos? Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?

Caifás emendou:
- Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas? E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais? Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?

Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:
- Quero ver as avaliações da primeira, segunda e terceira etapas e reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade. Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto. E vê lá se não vai reprovar ninguém!

E foi nesse momento que Jesus olhos para os céus e disse:

- "Senhor, por que me abandonastes...???"

Autoria desconhecida.

.
domingo, 29 de maio de 2011

Canção em campo vasto


Deixa-me amar-te com ternura, tanto que nossas solidões se unam e cada um falando em sua margem possa escutar o próprio canto.

Deixa-me amar-te com loucura, ambos cavalgando mares impossíveis em frágeis barcos e insuficientes velas pois disso se fará a nossa voz.

Deixa-me amar-te sem receio, pois a solidão é um campo muito vasto que não se deve atravessar a sós.

Lya Luft


.
sábado, 28 de maio de 2011

Feios porém lindos


"As feias que me perdoem, mas beleza é fundamental".

Era um poeta maravilhoso, esse Vinicius de Moraes, mas deixou imortalizada uma frase que jamais sairia da boca de uma mulher.

Aos feios, as mulheres dão boas vindas, desde que por trás do olho que não é azul e do corpo que não é atlético haja bom humor, inteligência e sex- appeal.

Nunca veremos Brad Pitt e George Clooney namorando feinhas, mas já vimos Julia Roberts casar com Lyle Lovatt, um músico que tinha o rosto decorado com crateras, e a estonteante Sharon Stone desfilar com baixinhos barrigudos até contrair matrimônio com um senhor que mais parece um boneco de cêra.

Há quem defenda a idéia de que mulheres casam com qualquer um, desde que tenha poder ou dinheiro. Poucas. Não foi o caso de Julia Roberts nem o de Sharon Stone, ricas e poderosas por si só, e também não é o caso de muitas Lucias, Andreas, Cristinas, Danielas, Fernandas e Jussaras anônimas.

Mulheres preferem ser amadas do que invejadas. Essa história de beleza tem a ver com atração, que tem a ver com "a primeira impressão é a que fica", que tem a ver com inícios de relações.

Se a garota for um canhão, as chances de conquistar um deus são quase zero (é uma generalização, mas toda regra tem exceções). Já se o garoto for feio, porém espirituoso, talentoso e auto-confiante, pode descolar o número do telefone da Marisa Monte. Lembrem-se que ela já namorou o Nando Reis, dos Titãs. Alguma coisa ele tem de lindo.

Mick Jagger é raquítico e branquela. Gerald Thomas é raquítico, branquela e usa óculos. Woody Allen é raquítico, branquela, usa óculos e está quase careca. Apesar desse quadro de horror, sei de muita mulher que não os expulsariam da sua cama. Será que elas nunca ouviram falar em Mel Gibson, Antonio Banderas, Pedro Bial?

Elas nunca ouviram falar é que beleza garanta o conteúdo. Mulher tem faro, não se contenta com a embalagem. É bem mais comum ver uma mulher linda acompanhada de um homem aparentemente sem graça do que o contrário.

Não é (só) porque a concorrência é implacável e nos contentamos com o que sobra. É porque mulher tem raio-x: consegue olhar o que se esconde lá dentro. Se,além de um belo coração e um cérebro em atividade, ele ainda for apetecível, é lucro.

Pena que a recíproca raramente seja verdadeira. Economizaríamos fortunas em cabeleireiros e academias se os homens fossem direto ao que interessa, na alma e no espírito, para os quais não adianta maquiagem.

Martha Medeiros 

.
quinta-feira, 26 de maio de 2011

Prazeres pela metade


Não há nada que me deixe mais frustrada do que pedir sorvete de sobremesa, contar os minutos até ele chegar e aí ver o garçom colocar na minha frente uma bolinha minúscula do meu sorvete preferido! Uma só.

Quanto mais sofisticado o restaurante, menor a porção da sobremesa. Aí a vontade que dá é de passar numa loja de conveniência, comprar um litro de sorvete bem cremoso e saborear em casa com direito a repetir quantas vezes a gente quiser, sem pensar em calorias, boas maneiras ou moderação.

O sorvete é só um exemplo do que tem sido nosso cotidiano.

A vida anda cheia de meias porções, de aventuras meia-boca, de prazeres pela metade. A gente sai pra jantar, mas come pouco. Vai à festa de casamento, mas resiste aos bombons.

Conquista a chamada liberdade sexual, mas tem que fingir que é difícil (a imensa maioria das mulheres continua com pavor de ser rotulada de 'fácil').

Adora tomar um banho demorado, mas se contém pra não desperdiçar os recursos do planeta. Quer beijar aquele cara 20 anos mais novo, mas tem medo de fazer papel ridículo. Tem vontade de ficar em casa vendo um DVD, esparramada no sofá, mas se obriga a ir malhar.

E por aí vai.

Tantos deveres, tanta preocupação em 'acertar', tanto empenho em passar na vida sem pegar recuperação...

Aí a vida vai ficando sem tempero, politicamente correta e existencialmente sem-graça, enquanto a gente vai ficando melancolicamente sem tesão ...

Às vezes dá vontade de fazer tudo 'errado', deixar de lado a régua, o compasso, a bússola, a balança e os 10 mandamentos.

Ser ridícula, inadequada, incoerente e não estar nem aí pro que dizem e o que pensam a nosso respeito. Recusar prazeres incompletos e meias porções.

Até Santo Agostinho, que foi santo, uma vez se rebelou e disse uma frase mais ou menos assim: 'Deus, dai-me continência e castidade, mas não agora'...

Nós, que não aspiramos à santidade e estamos aqui de passagem, podemos (devemos?) desejar várias bolas de sorvete, bombons de muitos sabores, vários beijos bem dados, a água batendo sem pressa no corpo, o coração saciado.

Um dia a gente cria juízo. Um dia, mas não tem que ser agora.

Por isso, garçom, por favor, me traga: duas bolas de sorvete de chocolate, um sofá pra eu ver 10 episódios do 'Law and Order', uma caixa de trufas bem macias e o Richard Gere, nu, embrulhado pra presente, OK ? Não necessariamente nessa  ordem.

Depois a gente vê como é que faz pra consertar o estrago.

Leila Ferreira

.
quarta-feira, 25 de maio de 2011

O eterno é silencioso


A inteireza que você tem buscado está dentro de você.

Você tem de observar a sua vida momento a momento e deixar de lado tudo o que parece momentâneo, fragmentário. Isso pode parecer muito empolgante, mas no fim se revela inútil. Jogue fora!

Olhe fundo aqueles momentos que podem não ser tão empolgantes. O eterno não pode ser muito empolgante, pois aquilo que tem de existir para sempre tem de ser muito silencioso, cheio de paz.

É alegre, disso não há dúvida, mas não é empolgante. Profundamente extasiante, mas sem barulho nenhum à sua volta. É mais silêncio do que som.

Você terá de crescer em consciência para poder percebê-lo.

Osho

.

O quereres


Onde queres revólver sou coqueiro, onde queres dinheiro sou paixão
Onde queres descanso sou desejo, e onde sou só desejo queres não
E onde não queres nada, nada falta, e onde voas bem alta eu sou o chão
E onde pisas no chão minha alma salta, e ganha liberdade na amplidão

Onde queres família sou maluco, e onde queres romântico,burguês
Onde queres Leblon sou Pernambuco, e onde queres eunuco,garanhão
E onde queres o sim e o não, talvez, onde vês eu não vislumbro razão
Onde queres o lobo eu sou o irmão, e onde queres cowboy eu sou chinês

Ah, bruta flor do querer, ah, bruta flor, bruta flor

Onde queres o ato eu sou o espírito e onde queres ternura eu sou tesão
Onde queres o livre decassílabo e onde buscas o anjo eu sou mulher
Onde queres prazer sou o que dói e onde queres tortura,mansidão
Onde queres o lar, revolução e onde queres bandido eu sou o herói

Eu queria querer-te e amar o amor construírmos dulcíssima prisão
E encontrar a mais justa adequação tudo métrica e rima e nunca dor
Mas a vida é real e de viés e vê só que cilada o amor me armou
E te quero e não queres como sou não te quero e não queres como és

Onde queres comício, flipper vídeo e onde queres romance, rock'nroll
Onde queres a lua eu sou o sol onde a pura natura, o inceticídeo
E onde queres mistério eu sou a luz
Onde queres um canto, o mundo inteiro
Onde queres quaresma, fevereiro e onde queres coqueiro eu sou obus

O quereres e o estares sempre a fim do que em mim é de mim tão desigual
Faz-me querer-te bem, querer-te mal bem a ti, mal ao quereres assim
Infinitivamente pessoal e eu querendo querer-te sem ter fim
E querendo te aprender o total do querer que há e do que não há em mim

Autor: Caetano Veloso/ interprete: Maria Bethanea



.
segunda-feira, 23 de maio de 2011

A quem se machuca


Inimigos são duas pessoas pertinho uma da outra. Só que de costas.

Há duas situações inimigas dentro do amor. Pertinho e uma de costas para a outra. Ambas ameaçam dar certo e não dar certo.

Quando se ama, tanto se teme enfrentar a possibilidade de dar certo, cheia de prisões e tentáculos, como o risco de não dar certo e ficar rompida uma harmonia que  poderia ter funcionado.

Ambas as situações convivem em quem ama. Porque "viver bem" não é dar certo. Dar certo é ser capaz de prosseguir apesar do desacerto.

"Viver mal" não é necessariamente dar errado. Dar errado é não poder prosseguir.

Composto também de partes inimigas, o amor se enriquece dos cansaços incapazes da destruição. Só vive do imperfeito de cada confronto. Só é quando vive ameaçado de deixar de ser. Caso contrário, não seria; simplemente deixaria de ser.

Os inimigos são duas pessoas pertinho uma da outra, mas de costas, porque, se  elas se virarem, encontrar-se-ão. E é isso o que temem. São mais unidos, talvez, que amigos, um de frente para o outro, mas a metros ou quilômetros de distância, e só por isso se entendem.

O  medo de amar é o medo de estar perto demais (ainda que de costas), o que de certa forma escraviza. O engano de amor é estar longe, mas de frente, o que de certa forma atenua.

A coragem de amar equivale à coragem de ser: é fazer dois inimigos, de costas um para o outro, virarem-se de frente para sentir o perfume, o olho, o medo, a força, a ternura, muita raiva e muito carinho e aceitar tudo, por isso amar.

A falsidade do amor é permanecer de frente como amigos: pura e simplesmente se aceitando. Sem contradita. Sem a oposição capaz de ser vencida pela permanência do sentimento, a despeito do eu de cada um.

O medo de quem ama é o medo da relação profunda, porque nela está a entrega que não rompe, apesar das  tragédias da superfície. E a superfície só faz a tragédia, para impedir que o eu contemple de  frente a relação profunda. Esta contém o que não se destrói, apesar das diferenças.

Na relação profunda está o desamparo e a necessidade tão pura que nunca pôde vir à tona. Na relação superficial está a fantasia, o eu idealizado, a armadura enfeitada de cada um.

Quem se relacionar ao nível da armadura será  feliz no começo, na fase hipnótica do amor. Quem preferir o nível profundo de relacionamento talvez seja até infeliz. Mas amará. A infelicidade  pode  fazer virar as costas para o inimigo, separar-se dele. Mesmo assim não será maior que o amor advinhado e sentido, se a relação é profunda.

Não te vires de frente para o inimigo! Podes amá-lo. Ele vai advinhar, e tu também, o amor está na peleja de quem ama. Não fiques tão de frente, mas tão longe de quem gostas. No que chegares perto, talvez detestes e sejas detestado.

Amar é estar de costas. Gostar é estar de frente. Um ultrapassa a inimizade que vive junta. Outro vive a amizade fácil, mas que se se aproximar pode não ser amor. Por isso era tão fácil sentir!

Amar é apesar. É através. É a despeito, mas é com. Amar, às vezes, é contra, mas perto e fundo. Mesmo de  costas. É malgrado. É com ferida e cicatriz, mas íntegro, verdadeiro e leal.

Amar fundo é  ter medo de virar de  frente. Porque  aí pode  surgir, cristalina, a possibilidade de dar certo. É a entrega. Que é, no fundo, o que mais teme quem ama.

Artur da Távola

.

Entusiasmo

 
 
Existe uma fórmula para uma vida eficaz e alegre: ter entusiasmo. De acordo com o dicionário, entusiasmo é:
"1. Excitação da alma quando admira excessivamente. 2. Paixão viva; dedicação. 3. Exaltação criadora." (Dicionário Melhoramentos).

Muitas vezes somos formais demais no relacionamento com as pessoas; esquecemos de que a razão de nossas vidas não é buscada de forma sistemática e sim com o entusiasmo que existe em nós. De fato, é necessário que, em tudo o que fizermos, a nossa alma tenha total excitação.

É fácil falarmos um "bom dia" para alguém, mas não para realmente desejar um bom dia. Esse tipo de comunicação parece sugerir mais uma maneira vaga da linguagem em chamar atenção de alguém de forma educada, planejada, sistemática e, no entanto, limitada na convivência. O que dirá, então, de outras expressões, até mais usadas no nosso dia-a-dia, como: "Você está bem?"; "Como vai você?" , "Boa sorte!"

Às vezes também nos deparamos com situações em que, embora expressemos algo com entusiasmo, há aqueles que abortam essa virtude com situações formais e depreciativas. O não reconhecimento a um trabalho entusiástico, por exemplo, não seria o maior destruidor dele?

Uma vez que a "Paixão viva" , "dedicação" e "exaltação criadora" são elementos naturais de uma pessoa entusiasta, então a formalidade, cobrança e pré-julgamentos feitos a ele faz com que estes fatores abortem aquelas virtudes, e tudo fique sem excitação, e tudo fique vago e falso. Estão aí os elementos que sugerem mais uma definição para palavra "hipocrisia".

Talvez, por isso, encontremos a resposta para a existência das muitas atitudes passivas em nosso meio: falta de entusiasmo!

Não há poder criador, desejo de viver, sentimentalismo, eficiência e alegria na pessoa que viver apenas analítica e formalmente. Aliás, isso é viver?!

Não, viver é valorizar com emoção, excitação e paixão cada coisa que faça ou façam por você; é necessário que sejamos um admirador fervoroso e ainda causar admiração por isso.

Estão aí os elementos que definem a palavra "alegria" que nos dará o direito de realmente viver, e viver com vontade!!

Wallas C. Souza.

.
domingo, 22 de maio de 2011

Como criar um delinquente



1- Comece na infância a dar ao seu filho tudo o que ele quiser, assim quando ele crescer ele acreditará que o mundo tem obrigação de lhe dar tudo o que deseja.

2- Quando ele disser nomes feios, ache graça, isso o fará considerar-se importante e desconsiderar aos demais desde pequeno.

3- Nunca lhe dê orientação religiosa, espere até que tenha 21 anos e decida por si mesmo, a sociedade há de auxiliá-lo, mesmo que ele se torne um fanático e seja explorado financeiramente.

4- Apanhe tudo o que ele deixar jogado (roupas, livros, comida), faça tudo para que ele aprenda a jogar a responsabilidade dele sobre os outros.

5- Discuta com freqüência na frente dele, principalmente nos 7 primeiros anos, assim ele não ficará chocado quando o lar dele se desfizer mais tarde.

6- De-lhe todo o dinheiro que ele quiser, nunca o deixe ganhar seu próprio dinheiro, assim você o poupa de passar pelas mesmas dificuldades que você passou, mesmo quando ele acabar com todo o patrimônio dele.

7- Satisfaça todos os seus desejos de comida, bebida, conforto, afinal isto poderia acarretar frustrações prejudiciais, mesmo que ele fique obeso, com problemas na coluna, visuais, tendências homossexuais por hormônios na alimentação.

8- Tome o partido dele contra os vizinhos, professores, policiais, afinal ninguém tem o direito de educar seu filho, só a TV e a empregada.

9- Não o oriente quanto as amizades, mesmo que os parentes lhe avisem que parecem traficantes, e quando ele se meter em encrenca séria, dê a desculpa que nuca conseguiu dominá-lo.

10- Quando estiver em profundo desgosto com a vida, console-se, diga que é o seu destino e o dele, que Deus quis assim...

Desconheço a autoria.

.
sexta-feira, 20 de maio de 2011

Força!!!!


 
Sim, cada desilusão pode ser um convite a um novo sonho, a uma nova visão de vida! Sinta-se convidado, hoje, a um novo desafio em sua vida, a caminhar um novo caminho!

Não permita mais que a vida continue te maltratando com tantas desilusões.

Pare de se decepcionar com os amigos, com os parentes, com os companheiros de serviço. Pare de se decepcionar com você mesmo, viu? Pare de se desiludir quando perceber que seu sonho se transformou em pesadelo.

A desilusão pode doer muito, como um ferimento e pode atingir qualquer um. Isso não é privilégio só seu, viu? Mas o importante é saber que novos sonhos estão aí e podem ser sonhados. Um novo dia certamente vai amanhecer!

Você é criado por Deus, é filho muito amado, querido e protegido Dele. Você tem uma incrível e poderosa capacidade de se recompor, de se recuperar.

Você pode sim sair das cinzas para a glória! Você pode sim sair do nada para o tudo, da derrota para a vitória... como tem feito nessa vida toda!

Vamos! Força! Coragem! Viva alegre e empregue todas as suas forças na plantação do bem, do amor, do carinho no coração daqueles que te cercam! Levante a cabeça, enxugue seus olhos e  sinta-se fortalecido e renovado como a águia que há dentro de você desejando voar grandes alturas, acima das desilusões!

Bom Dia! Bom Divertimento! Permaneça na Paz!

"Lágrimas acontecem. Aguente firme e siga em frente. A única pessoa que vai acompanhar você a vida toda é você mesmo. Esteja vivo, enquanto você viver."

Luis Carlos Mazzini 

.

Todo sonho tem um preço


Se você quiser ser músico de verdade, o preço é a dedicação ao estudo das notas, da sonoridade, da composição, da busca da perfeição.

Se o seu sonho é pintar, o preço é conhecer as cores, os pincéis, as técnicas de luz e perspectiva, é arriscar, fazer e refazer.

Se o seu sonho é ser comerciante, o preço é a dedicação quase que integral ao negócio, são finais de semana atrás do balcão, horas sobre as contas, dias e dias convencendo clientes.

Se o seu sonho é formar-se na faculdade, o preço é o estudo, as horas de sono, mensalidades, livros, trabalhos em equipe, locomoção e muita perseverança para não apenas formar-se, mas tornar-se um profissional de fato.

Se o seu sonho é o casamento, o preço é a divisão das horas, é ceder espaço na sua vida, aceitar comportamentos nem sempre tão agradáveis, ter regras para o que antes não havia, ceder, ceder e compreender.

Se o seu sonho é a maternidade ou paternidade, o preço é a renúncia de algumas horas, de alguns prazeres, de dedicação quase que integral ao novo ser que será confiado à sua guarda.

Se o seu sonho é ser feliz, o preço é a dedicação ao seu bem estar, no acreditar na sua infinita capacidade de construir, de recomeçar sempre que um problema lhe derrubar. Ser feliz é um exercício diário de otimismo, que cobra um preço razoável de cada um, não aceita pechinchas e nem oferece descontos; é preciso saber viver com intensidade para ser feliz.

Qual é o seu sonho? Qual é o preço que você está disposto à pagar?
Qual é o esforço que você tem feito para sair do sonho e caminhar em direção à realização? Você está disposto realmente a pagar o preço pedido? É capaz de dedicar-se, renunciar e até sacrificar-se em nome do sonho?

Qual é o seu sonho?

Seja qual for, ele pode cobrar bem menos do que você imagina, se você realmente tiver prazer em realizá-lo, se for realmente o seu desejo, e não apenas um capricho. Os sonhos que nascem da alma sonhadora têm em si o desejo de vida melhor e levam pelo ar, esperança e alegria, paz e certeza de dias melhores.

Paulo Roberto Gaefke
.
quarta-feira, 18 de maio de 2011

Esperar o quê?


Quando demoramos a decidir trilhar um caminho que está no nosso destino, de uma forma ou de outra somos colocados nele.

Em poucos meses a minha vida tomou um rumo tão diferente e inesperado que me pego perguntando onde isso tudo vai dar... A única certeza que tenho é que parece que tudo já estava mesmo planejado e eu é que ainda não sabia. Mas a minha alma com certeza sabia e apoiava essas mudanças todas.

E nesse caso só me resta entregar e estar disponível para seguir os desígnios dessa força que guia.

Acho que o Universo age assim, algumas vezes, de forma tão rápida para não nos dar muito tempo de usar a razão. Porque, se tivéssemos tempo, com certeza ficaríamos presos ao casulo do velho, do que dá segurança e nunca arriscaríamos um vôo para além do que é conhecido.

O novo e a felicidade requerem muita coragem, muitas vezes uma coragem que só descobrimos a partir do momento em que nos decidimos ir, sem segurança e sem nenhuma garantia, experimentar o que ainda não foi experimentado, inventar coisas, misturar cheiros e cores, espalhar sementes, jogar água nas flores, e ver nascer passo a passo uma nova história.

Quantas vezes tentamos segurar um passado que já foi vivido e que, como o nome diz, já passou e não tem sentido nenhum,  por não ter coragem de arriscar o novo.

Esperar o quê? A hora é essa, o presente é agora...

Sinto que nos preparamos tanto para esse momento e para essa hora, onde cada um deve entrar na sua história; parece que a história já estava escrita e que já foi muitas vezes ensaiada. Mas na ‘hora H’ vem aquele friozinho na barriga e podemos correr o risco de morrer sufocados, como uma borboleta que se agarra ao casulo por não ter coragem de saltar no vazio.

Ahhhh... se ela soubesse que a natureza é tão perfeita que o tempo do casulo só termina quando as asas já estão prontas para voar...

Rubia A. Dantés

.

Eu decido agora...


Eu decido agora que vantagem eu levo em:

Ficar pensando na criança que já fui? Quero ser criança agora!

Prender-me à adolescência que perdi? Eu posso ser jovem agora!

Chorar as escolas que deixei? Tenho chance de aprender agora!

Lamentar oportunidades de trabalho que não vi? Eu posso realizar agora!

Ressentir-me de amigos que me desapontaram? Escolho ter novos amigos agora!

Frustrar-me por diversões que não tive? A vida pode divertir-me agora!

Desiludir-me com amores que se foram? Mereço ser amado agora!

Fechar-me porque sofri decepções? Ouso ser confiante agora!

Sofrer por sonhos não realizados? Estabeleço novas metas agora!

Desacreditar da felicidade porque já sofri? Ela está ao meu alcance agora!

Prender-me ao passado que ficou lá atrás? Vivo meu presente agora!

Preocupar-me com o futuro que não posso controlar? Deixo-o nas mãos de Deus agora!

O momento presente é tudo que tenho.

Eu decido: fazer e ser o melhor agora!!!

Trecho do livro "Sorte é Pra Quem Quer" 

.
terça-feira, 17 de maio de 2011

A borboleta

 
A borboleta é o símbolo da alma, pois da mesma forma que abandona a crisálida para voar, o espírito se liberta do corpo físico para ganhar espaço infinito. Representa também o renascimento e a imortalidade.

Também está associada à mulher, a metamorfose de seu ovo para lagarta e depois para crisálida e borboleta. Indica as etapas da alma para a iluminação.

E duas borboletas juntas indicam felicidade matrimonial.

O poder da borboleta é como o ar, é a habilidade de conhecer a mente e de mudá-la, é a arte da transformação!

Como a borboleta, estamos sempre em algum estágio de atividade:

- Podemos estar no primeiro estágio, onde a idéia nasce, mas ainda não é uma realidade, é o estágio do ovo, o ponto de criação de uma idéia;

- O segundo estágio, da larva, é onde temos que tomar uma decisão;

- O terceiro estágio, do casulo, é o desenvolvimento do projeto, é fazer para realizar;

- E o estágio final, a transformação, é deixar o casulo e voar, é a realização!

A principal mensagem aqui é:

Criar, transformar, mudar e ter coragem para aceitar!
 
Paulo Coelho.

.
segunda-feira, 16 de maio de 2011

Seja cisne


- Vó, por que as pessoas sofrem?
- Como é que é???
- Por que as “pessoas grandes” vivem bravas, irritadas, sempre preocupadas com alguma coisa???
- Bem, minha filha, muitas vezes porque elas foram ensinadas a viver assim.

(silêncio)


- Vó…
- Oi…
- Como é que as pessoas podem ser ensinadas a viver mal? Não consigo entender.
- É que elas não percebem que foram ensinadas a ser infelizes, e não conseguem mudar o que as torna assim. Você não está entendendo, não é, meu amor?
- Não, Vovó.
- Você lembra da historinha do Patinho Feio?
- Lembro.
- Então, o Patinho se considerava feio porque era diferente de todo mundo. Isso deixava-o muito infeliz e perturbado, tão infeliz que um dia ele resolveu ir embora viver sozinho. Só que o lago que ele procurou para nadar tinha congelado, e estava muito frio. Quando ele olhou para seu reflexo no lago, percebeu que ele era, na verdade, um maravilhoso cisne. E assim se juntou aos seus iguais e viveu feliz para sempre.

(mais silêncio)

- O que isso tem a ver com a tristeza das pessoas?
- Bem, quando nascemos, somos separados de nossa “natureza-cisne”. Ficamos como patinhos, tentando caber no que os outros dizem que está certo. Então passamos muito tempo tentando virar patos.
- É por isso que as pessoas grandes estão sempre irritadas?
- Isso!!! Viu como você é esperta?
- Então é só a gente perceber que somos cisnes que tudo dá certo?

(engasgou)

- O que foi, vovó???
- Na verdade, minha filha, encontrar o nosso verdadeiro espelho não é tão fácil assim. Você lembra o que o patinho precisava fazer para se enxergar?
- O que ???
- Ele primeiro precisava parar de tentar ser um pato. Isso significa parar de tentar ser quem a gente não é. Depois, ele aceitou ficar um tempo sozinho para se encontrar.
- Por isso ele passou muito frio, não é, vovó?
- Passou frio e ficou sozinho no inverno.
- Por isso que o papai anda tão sozinho e bravo?
- Como é, minha filha?
- Meu pai está sempre bravo, sempre quieto com a música e a televisão dele. Outro dia ele estava chorando no banheiro…

(emudeceu durante algum tempo ... essas crianças!!).

- Vó, o papai é um cisne que pensa que é um pato?
- Todos nós somos, querida.
- Ele vai descobrir quem ele é, de verdade?
- Vai, minha filha, vai. Mas, quando estamos no inverno, não podemos desistir, nem esperar que o espelho venha até nós. Temos que procurar ajuda até encontrarmos.
- E aí viramos cisnes?
- Nós já somos cisnes. Apenas deixamos que o cisne venha para fora, e tenha espaço para viver.

(a menina deu um pulo da cadeira)

- Aonde você vai ?
- Vou contar para o papai o cisne bonito que ele é.

A boa vovó apenas sorriu!!!

M. A. Spinelli.
.

domingo, 15 de maio de 2011

Efeito borboleta

 
Se perseguirmos as borboletas elas irão fugir assustadas.

Às vezes, a nossa obsessão pelas borboletas pode levar-nos a cometer erros graves, e quando reparamos, entre nossas mãos, não temos uma borboleta, mas sim uma vespa letal que nos irá morder e magoar.

Mas se esperamos sentados no banco de um belo jardim, as borboletas vão aparecer. O seu bater de asas delicado, lento, arrastado, leva-as ao nosso encontro e nós só temos que esperar que elas pousem.

As borboletas não podem ser apressadas, são senhoras de si e só elas podem decidir se chegou a hora de pousar ou se ainda é preciso mais tempo.

Mas, quando pousam, as borboletas trazem grandes mudanças, os seus graciosos bater de asas fazem pequenas alterações que acabam por mudar o curso da nossa vida.

Este efeito borboleta é aquilo que torna estes pequenos seres em algo assombrosamente indispensável nas nossas vidas!

Wiscat Pereira


.
sábado, 14 de maio de 2011

Quando falar...



Quando falar sobre amor, finja nada conhecer, para absorver cada frase que brote do coração.

Quando falar sobre a dor, deixe abertas as janelas da alma para compreender que amor e a dor são tão parecidos, que até os confundimos ao vê-los bem de pertinho.

Quando falar sobre a paz, faça-o no rumor da guerra, para ser ouvido na mais alta voz.

Quando falar sobre sonhos, acorde, para vivê-los na melhor lucidez do seu dia.

Quando falar de amizade, estenda a mão aos seus inimigos, para que possa provar a si mesmo aquilo que gosta de dizer aos outros.

Quando falar de fome, faça um minuto de jejum, para lembrar daqueles que jejuam todos os dias, mesmo sem querer…

Quando falar de frio, abrace alguém. Quando falar de calor, estenda a mão. Quando estender a mão, sustente o braço para que perdure.

Quando falar de felicidade, acredite nela. Quando falar de fé, cerre os olhos para encontrar a razão daquilo em que crê. Quando falar de Deus, faça-o pelo silêncio do seu testemunho.

Quando falar de si mesmo, aprenda a calar, para entender o amor, a dor, a paz, os sonhos …

Quando falar, cuide para que suas palavras sejam melhores que o seu silêncio.

 Desconheço a autoria.

.
sexta-feira, 13 de maio de 2011

Quando fui chuva


Quando já não tinha espaço pequena fui
Onde a vida me cabia apertada
Em um canto qualquer acomodei
Minha dança os meus traços de chuva
E o que é estar em paz
Pra ser minha e assim ser tua

Quando já não procurava mais
Pude enfim, nos olhos teus vestidos d'água
Me atirar tranqüila daqui
Lavar os degraus, os sonhos e as calçadas

E assim no teu corpo eu fui chuva
Jeito bom de se encontrar
E assim no teu gosto eu fui chuva
Jeito bom de se deixar viver

Nada do que eu fui me veste agora
Sou toda gota, que escorre livre pelo rosto
E só sossega quando encontra a tua boca

E mesmo que em ti me perca
Nunca mais serei aquela
Que se fez seca
Vendo a vida passar pela janela

Quando já não procurava mais
Pude enfim, nos olhos teus vestidos d'água
Me atirar tranquila daqui
Lavar os degraus, os sonhos e as calçadas

E assim no teu corpo eu fui chuva
Jeito bom de se encontrar
E assim no teu gosto eu fui chuva
Jeito bom de se deixar viver.

Luis Kiari/ Caio 
Interprete: Maria Gadu




.
quarta-feira, 11 de maio de 2011

Resolvi...

Resolvi desamarrar as asas dos meus sonhos. Eles serão bem mais lindos, apaixonantes e emocionantes, voando por aí.

Resolvi viver um dia de cada vez e com a maior intensidade que possa existir.

Resolvi esperar as coisas em Deus, porque o meu tempo é bem diferente e muito mais apressado. Pra que tanta pressa, pra que viver tudo de uma só vez, se a vida de fato nos dá tempo suficiente para sermos felizes, para realizar todos os nossos sonhos e desejos e ainda continuar sonhando.

Resolvi amar e optar pelo amor sempre na minha vida, independentemente do que os outros vão pensar de mim.

Resolvi parar de dar atenção a quem não quer a minha ajuda. Resolvi não me apegar demais às pessoas, se elas não dão a miníma importância para o que eu sinto, penso ou desejo.

Resolvi viver viajando entre as nuvens, e respirar o ar que eu achar que devo respirar. Respirar o ar mais puro que existe, presente nos meus sonhos, nos meus ideais.

Aprendi que tudo na vida tem o seu tempo, por isso não constumo mais andar de relógio. Pra que?

Viva, sem contar quantos minutos você vem perdendo ou ganhando.

Simplesmente viva!

Nathália Araújo.

.

O sucesso é ser feliz

 
A felicidade vem à nossa vida por ação reflexa, pois é a felicidade que criamos para os outros que se transforma em nossa alegria.

Como as ondas do mar, a vida é dinâmica, e tão certa é a subida quanto a descida. Um movimento é complementar ao outro.

Cada momento tem sua beleza e saber apreciá-los constitui a base da felicidade. Não desfrute somente o Sol, aprecie também a Lua.

A vida não acontece somente dentro de uma casa, de uma cidade, de um país; ela tem que ser experimentada dentro do Universo.

Felicidade é um jeito de viver. É uma experiência ligada à sabedoria.

Aproveite as oportunidades. Valorize o amor, o bom humor e a criatividade.

Lute pelos seus sonhos com quatro “d”s: determinação, dedicação, disciplina e desprendimento.

A vida depende de nós. Um dos maiores desafios da raça humana é evoluir do estágio que lhe garante a sobrevivência, para o estágio que lhe realize a existência.

O grande néctar da vida é a possibilidade de realizar o Divino que existe dentro de cada um de nós.

Roberto Shinyashiki.

.
terça-feira, 10 de maio de 2011

Pedido de demissão

 
 
Venho através deste, apresentar oficialmente meu pedido de demissão da categoria dos adultos. Resolvi que quero voltar a ter as responsabilidades e as idéias de uma criança de 8 anos no máximo.

Quero acreditar que o mundo é justo e que todas as pessoas são honestas e boas. Quero acreditar que tudo é possível. Quero que as complexidades da vida passem desapercebidas por mim e quero ficar encantado com as pequenas maravilhas deste mundo.

Quero de volta uma vida simples e sem complicações. Cansei dos dias cheios de computadores que falham, montanha de papeladas, notícias deprimentes, contas a pagar, fofocas, doenças e necessidade de atribuir um valor monetário a tudo o que existe!!! Não quero mais ter que inventar jeitos para fazer o dinheiro chegar até o dia do próximo pagamento...

Não quero mais ser obrigado a dizer adeus às pessoas queridas e, com elas, a uma parte da minha vida! Quero ter a certeza de que Deus está no céu e que por isso tudo está direitinho neste mundo.

Quero viajar ao redor do mundo num barquinho de papel que vou navegar numa poça deixada pela chuva. Quero jogar pedrinhas na água e ter tempo para olhar as ondas que elas formam.

Quero achar que as moedas de chocolate são melhores do que as de verdade porque podemos comê-las e ficar com a cara toda lambuzada. Quero ficar feliz quando amadurecer o primeiro caju, a primeira manga ou quando a jabuticabeira ficar pretinha de frutas.

Quero poder passar as tardes de verão à sombra de uma árvore construindo castelos no ar e dividindo-os com meus amigos. Quero achar que chicletes e picolés são as melhores coisas da vida! Quero que as maiores competições que eu tenha de entrar sejam um jogo de bola de gude ou uma pelada.

Quero voltar ao tempo em que tudo o que eu sabia era o nome das cores, a tabuada, as cantigas de roda, a “Batatinha quando nasce” e que isso não me incomodava nadinha, porque eu não tinha a menor idéia de quantas coisas eu ainda não sabia.

Quero voltar ao tempo em que se era feliz simplesmente porque se vivia na bendita ignorância da existência de coisas que podiam nos preocupar ou aborrecer. Quero poder acreditar no poder dos sorrisos, dos agrados, das palavras gentis, da verdade, da justiça, da paz, dos sonhos, da imaginação, dos castelos no ar e na areia. Quero estar convencido de que tudo isso vale muito mais do que o dinheiro!

A partir de hoje, isto é com vocês, porque eu estou me demitindo da vida de adulto...

Agora, se você quiser discutir a questão, vai ter de me pegar ... porque o pegador está com você!!! E para sair do pegador só tem um jeito: demita-se, você também, dessa sua vida chata de adulto, compartilhando esta mensagem com todos os seus amigos, principalmente os mais sérios e preocupados...

By Maria Clara Isoldi White.

.
segunda-feira, 9 de maio de 2011

Estratégia é tudo


Um senhor vivia sozinho em Minnesota.

Ele queria virar a terra de seu jardim para plantar flores, mas era um trabalho muito pesado. Seu único filho, que o ajudava nesta tarefa, estava na prisão.

O homem, então, escreveu a seguinte carta ao filho:

- "Querido filho, estou triste pois não vou poder plantar meu jardim este ano. Detesto não poder fazê-lo, porque sua mãe sempre adorou flores e esta é a época certa para o plantio.

Mas eu estou velho demais para cavar a terra. Se você estivesse aqui eu não teria esse problema, mas sei que você não pode me ajudar, pois estás na prisão.

Com amor,

Seu Pai!"


Pouco depois, o pai recebeu o seguinte telegrama:
 
"Pelo amor de Deus, pai, não escave o jardim! Foi lá que eu escondi os corpos!"

Como as correspondências eram monitoradas na prisão, às quatro da manhã do dia seguinte, uma dúzia de agentes do FBI e policiais apareceram e cavaram o jardim inteiro, sem encontrar qualquer corpo.

Confuso, o velho escreveu uma carta para o filho contando o que acontecera.

Esta foi a resposta do filho ao pai:

- Pode plantar seu jardim agora, amado pai. Isso foi o máximo que eu pude fazer no momento.

Autoria desconhecida.

.
sábado, 7 de maio de 2011

Contra quem lutamos

 
Um ermitão, uma destas pessoas que por amor a Deus se refugia na solidão do deserto, do bosque ou das montanhas para dedicar-se somente à oração e à penitência, muitas vezes reclamava que tinha muito que fazer.

Perguntaram-lhe como era possível que, em sua solidão, tivesse tanto trabalho.

- Tenho que domar dois falcões, treinar duas águias, manter quietos dois coelhos, vigiar uma serpente, carregar um asno e sujeitar um leão.

- Não vemos nenhum animal perto do local onde vives. Onde estão estes animais?

O ermitão então explicou:

- Estes animais todos os homens têm, vocês também! Os dois falcões se lançam sobre tudo o que aparece, seja bom ou mau. Tenho que domá-los para que só se fixem sobre uma boa presa. São meus olhos.

- As duas águias ferem e destroçam com suas garras. Tenho que treiná-las para que sejam úteis e ajudem sem ferir. São minhas mãos.

- Os dois coelhos querem ir onde lhes agrada, fugindo dos demais e esquivando-se das dificuldades. Tenho que ensinar-lhes a ficarem quietos mesmo que seja penoso, problemático ou desagradável. São meus pés.

- O mais difícil é vigiar a serpente, apesar dela estar presa numa jaula de 32 barras. Está sempre pronta para morder e envenenar os que a rodeiam, mal se abre a jaula. Se não a vigio de perto, causa danos. É minha língua.

- O burro é muito obstinado, não quer cumprir com suas obrigações. Alega estar cansado e se recusa a transportar a carga de cada dia. É meu corpo.

- Finalmente, preciso domar o leão. Quer ser o rei, o mais importante; é vaidoso e orgulhoso. É meu coração.

- Portanto, há muito que fazer.

Desconheço a autoria.

.
sexta-feira, 6 de maio de 2011

Conselhos de mãe



Minha mãe disse-me, um dia:

- "Filha, você terá três tipos de pessoa na sua vida:

Um amigo, aquela pessoa que você terá sempre em grande estima, que você sabe que poderá contar sempre; que bastará você insinuar que está precisando de ajuda e a ajuda está sendo dada;

Um amante, aquela pessoa que faz o seu coração pulsar; que fará com que você flutue e nada importará quando vocês estiverem juntos;

Uma paixão, aquela pessoa que você amará, desejará incondicionalmente, às vezes nem lhe importando se ela lher quer ou não, e talvez ela nem fique sabendo disso.

Porém, se você conseguir reunir essa três pessoas numa só - pode ter certeza, minha filha, você encontrou a felicidade."



Autor desconhecido

.
quarta-feira, 4 de maio de 2011

Felicidade realista


De norte a sul, de leste a oeste, todo mundo quer ser feliz. Não é tarefa das mais fáceis. A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.

Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica, a bolsa Louis Vitton e uma temporada num spa cinco estrelas.

E quanto ao amor? Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito.

É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Por que só podemos ser felizes formando um par, e não como ímpares? Ter um parceiro constante não é sinônimo de felicidade, a não ser que seja a felicidade de estar correspondendo às expectativas da sociedade, mas isso é outro assunto.

Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com três parceiros, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio. Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.

Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.

Olhe para o relógio: hora de acordar! É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um game onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo!

Martha Medeiros.

.

Apaixone-se


Apaixone-se definitivamente pelo seu SONHO. O sonho de ninguém deve ser mais apaixonante que o seu.

Apaixone-se por sua FAMÍLIA. Mesmo que ela não seja do jeito que você planejou, ainda assim, ela é a sua família.

Apaixone-se pelo seu TALENTO. Mesmo que seu crítico insista para você escolher realizar outras coisas, mais “convenientes”.

Apaixone-se mais pela VIAGEM do que pela chegada a seu destino A primeira é garantida.

Apaixone-se pelo seu CORPO. Mesmo que ele esteja fora de forma, pois de “qualquer forma” ele é a única casa que você realmente possui.

Desapaixone-se de seus medos. Eles minam sua alegria de viver.

Apaixone-se pelas suas MEMÓRIAS mais deliciosas. Ninguém pode tirá-las de dentro de você e elas são excelentes fontes de inspiração em momentos de dor.

Apaixone-se por aquelas BESTEIRAS SAUDÁVEIS que passam por sua mente entre um e outro momento de estresse. Elas ajudam a sobreviver!

Apaixone-se pelo SOL, ele é fiel, gratuito, absolutamente disponível e dá prazer.

Apaixone-se por ALGUÉM, não espere alguém se apaixonar antes por você, só por garantia e segurança.

Apaixone-se pelo seu PROJETO DE VIDA, acredite, não dá certo fazer isto a dois.

Apaixone-se pela DANÇA DA VIDA que está sempre em movimento dentro da gente, mas que, por defesas, nós teimamos em algemar.

Apaixone-se mais pelo SIGNIFICADO das coisas que você conquistar do que pelo seu valor material.

Apaixone-se por suas IDÉIAS, mesmo que tenham dito que elas não servem para nada.

Apaixone-se por seus PONTOS FORTES, mesmo que os pontos fracos insistam em ficar em alto relevo no seu cérebro.

Apaixone-se pela IDÉIA de ser verdadeiramente FELIZ. Felicidade encontra-se de sobra nas prateleiras de seus recursos interiores.

Apaixone-se pela MÚSICA que você pode ser para alguém.

Apaixone-se por SER HUMANO!

Apaixone-se definitivamente por VOCÊ!

Apaixone-se RÁPIDO! O poder de decisão só pertence a você! Lembre-se sempre que os dias de dificuldades passarão. Passarão também os dias de amargura e solidão. As dores e as lágrimas passarão. As frustrações que nos fazem chorar, um dia, também passarão. A dor da perda do ser querido passará. Ficará a saudade.

Dias de tristeza, dias de felicidade são lições necessárias que passam, deixando no espírito imortal as experiências acumuladas. Se hoje, para nós, é um desses dias repletos de dor, paremos um instante. Elevemos o pensamento a Deus e busquemos a voz suave, amorosa do Pai a nos dizer carinhosamente: “Isso também passará…“.

E guardemos a certeza, pelas próprias dificuldades já superadas, que não há mal nem dor que dure para sempre!

Autoria desconhecida.

.
segunda-feira, 2 de maio de 2011

A inteireza da vida


Ninguém vive pela metade.

O espaço de vida de cada um é o que cada qual tem de inteiro. Quando amamos, dúvida não existe; se queremos realmente, dúvida não existe; se somos felizes, cadê o espaço pra infelicidade, se a felicidade toma conta de tudo?!

Se dura vinte ou cinquenta anos, não faz diferença. O que conta é que uma vida é uma oportunidade única, especial. Não existe meio amor, meia felicidade, meia saudade. Todo sentimento, por si só, é inteiro.

A gente é feliz, ou não é; ou ama, ou não ama; ou quer, ou não quer. Então, se você se sente nesse meio caminho, talvez seja o momento de parar e refletir um pouco na sua existência.

A vida é inteira, mas não temos a vida inteira para decidirmos vivê-la intensamente. Temos o agora. Há quem diga que, pelo fato de ser jovem, ainda tem tempo. Mas quem, além de Deus, sabe dizer a medida da vida de cada um?

Perdemos preciosos minutos no nosso hoje com a idéia que amanhã as coisas acontecerão e que podemos esperar.

Quando começamos a medir e pesar nossos sentimentos, não vamos a lugar nenhum. Haverá sempre uma luta cerrada entre o coração que quer viver e a razão que mede consequências. Medindo dificuldades não fazemos nada. Se devemos medir alguma coisa, devem ser então as possibilidades. Aí sim estamos no caminho certo.

Para os pessimistas uma pedra é um estorvo, para os otimistas é um pedacinho do alicerce da própria vida. O segredo está no olhar com que cada um vê as situações.

Só enfrentando os medos e o desconhecido é que conseguiremos viver de forma inteira essa vida que se oferece a nós em pedaços. Ninguém disse que não há riscos. Mas não é melhor arriscar do que viver o restante dos nossos dias na infelicidade de se perguntar o que teria sido se tivéssemos tentado?

Quando fizer alguma coisa, faça com inteireza de coração. Ame totalmente, ria totalmente. Faça de tudo um todo.

A vida é bela demais para ser deixada em suspenso. O amor é bom demais para que possamos vivê-lo em pequenas partes, sem que o tornemos real e possível.

Tente viver com a metade do seu coração e veja se consegue. Difícil ser feliz sem ser completo. Impossível ser completo parado num caminho de indecisões. O coração talvez não seja o melhor conselheiro. Mas é o que nos mantém vivos e que está sempre junto, sempre ligado a nós.

Deixe, pelo menos uma vez, que ele fale mais alto.“Ouça sua voz”. Curve-se ao seu desejo. Permita-se ser mais feliz!!!

Autor desconhecido.

.

Nunca se abandone



Quando depositamos excessiva confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de nos decepcionarmos se torna muito grande. As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas e vontades, assim como não estamos aqui para satisfazer as delas. Nós, na verdade, podemos até beber do mesmo vinho, mas nunca na mesma taça.

Temos que procurar nos bastar e reconhecer essa verdade. Nos bastar sempre e, quando procurarmos estar com alguém, devemos fazer isso, cientes de que estamos juntos porque amamos, gostamos, queremos e nos sentimos bem, e nunca por achar que precisamos daquela pessoa ao ponto de não conseguirmos viver sem ela, e jamais permitir que a outra pessoa desenvolva tal sentimento por nós.

Somos individuais, querendo ou não. Devemos viver por nós, sempre buscando o propósito da nossa existência. Aprendamos com as cordas do violão, que são independentes, mas juntas, cada uma fazendo a sua parte, constroem as mais belas melodias.

As pessoas se completam não por serem metades, mas por serem pessoas inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida!!!

Por isso, nunca se abandone!!

Autoria desconhecida.
domingo, 1 de maio de 2011

Alma erótica

 
 
Não foi à toa que Adélia Prado disse que "erótica é a alma". Enganam-se aqueles que pensam que erótico é o corpo. O corpo só é erótico pelos mundos que andam nele.

A erótica não caminha segundo as direções da carne. Ela vive nos interstícios das palavras. Não existe amor que resista a um corpo vazio de fantasias. Um corpo vazio de fantasias é um instrumento mudo, do qual não sai melodia alguma.

Por isso, Nietzsche disse que só existe uma pergunta a ser feita quando se pretende casar: "continuarei a ter prazer em conversar com esta pessoa daqui a 30 anos?"

Rubem Alves.

.

Sobre mim

Minha foto
Claudia Mei
É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo. Clarice Lispector
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Pesquisa

Carregando...

Sitemeter

Visualizações de páginas

Tecnologia do Blogger.