quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Novos tempos



Descalça
Sem lenço nem documento
Livre para voar
falar... viver...
Sem rédeas
nem amarras...
Em busca do meu Eu
Da minha paz interior
Do meu auto-controle...

Procuro respostas
Nem sempre as encontro...
Encaro desafios
De peito aberto
Desato nós
E guardo mágoas
Infelizmente.

Não sou perfeita...
Bem longe de ser...
Apenas uma mulher
Que está aprendendo com os baques da vida.

Agora bem mais madura...
Sem tempo para perder...
Correndo atrás do que realmente importa
E quem merece.

Que busca incansavelmente a felicidade
E luta com todas as armas...
Para ver o sorriso de quem ama...
E a certeza que estou no caminho certo !

Rosane Lima.

.
terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

A verdadeira amizade



5 Boca doce granjeia muitos amigos e lábios afáveis atraem saudações. 

6 Sejam muitos os teus amigos, mas o teu confidente um só entre mil.

7 Queres ter um amigo? Adquire-o com a prova e não te apresses em confiar nele;

8 porque há amigo que se vai com o tempo, e no dia da tribulação não é constante.

9 Há amigo que se torna inimigo, e descobrirá, para tua vergonha, querelas.

10 Há amigo que só o é para a mesa, e que nos dias da desgraça desaparece;

11 na tua prosperidade é como se fosse outro tu, na tua desventura afasta-se de ti;

12 se te colhe o infortúnio, volta-se contra ti, e oculta-se da tua presença.

13 Permanece afastado de teus inimigos, e com os teus amigos tem cuidado.

14 Um amigo fiel é um refúgio poderoso, e quem o encontra, achou um tesouro.

15 Amigo leal não tem preço, e nada se iguala ao seu valor.

16 Bálsamo vital é o amigo fiel; os que temem a Deus o encontram.

17 O que teme a Deus é constante na sua amizade porque qual é ele, tal é também o seu amigo.

Eclesiástico, 6, 5-17.

.
segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

O que te faz feliz?



Nós, humanos, somos seres estranhos. Nunca estamos felizes com nada. Vivemos sempre buscando algo que não temos, e o que temos já não nos importa. Algo como: a felicidade está em um patamar acima do nosso e estamos sempre a buscá-la. 

Enfim, por mais que tenhamos bens, saúde, uma família, sempre falta algo. Que seja algo distante, que seja impossível, pois será isso que iremos desejar, ainda que o que precisamos, de fato, esteja ao alcance de nossas mãos. 

Carros, casas, bens, dinheiro, dinheiro. Seria essa a definição ideal de felicidade? Não sei, a resposta não é tão simples. Talvez a felicidade não se resuma nessas coisas, em bens materias, embora estas coisas ajudem muito.

Talvez, as coisas mais mais valiosas que temos, por mais démodé que seja, são amores. Não amores carnais apenas, paixões, mas sim amores, amores pelo simples viver, do amanhecer de um dia, de uma vida envolta de prazeres simplórios, e que não são necessariamente relacionados a dinheiro. Tá, reconheço que isso é filosófico demais, mas é realidade. Afinal, a vida deve ser encarada como um simplicidade impressionante, porque a vida é mesmo complexa. Mas é difícil ver simplicidade na vida, porque, aliás, a felicidade é, além de tudo, complexa.

Quando criança, eu queria ser adulto, mas por que cargas d’água hoje eu gostaria de ser criança? Por que sentimos falta daquilo que tivemos, e que sempre desejamos descartar?

Afinal, o que te faz feliz? O que nos faz feliz? O que é ser feliz? Talvez seja a esperança de saber que o amanhã poderá ser melhor, e é por isso que batalhamos hoje. É, talvez ser feliz seja isso: viver o que temos pra viver da maneira que podemos.

Mário Yanase.

.
domingo, 26 de fevereiro de 2012

Da alegria



Um punhado de lanterninhas brancas acesas. É o sorriso de nós todos quando a alegria e  o prazer estão por perto. São feixes de luz que descortinam as sombras e abrem  caminho para a música. Dançam os músculos da face, dançam as substâncias do ser,  dançam as borboletas por dentro.

Na morada da alegria tudo é arco-íris e sinfonia; e é também a presença de quem se  ama e o perfume inexplicável que permanece na ausência. Não há sonho, nem fantasia na  alegria. Ela é o tato, é o fato. Pés não alcançam peso algum e ombros se transformam  em balão. Leveza! Leveza que se vê. Transfiguração.

É intensa ou não é, é vibrante ou nem isso… mas chega, se instala, contamina e modela. E  o dia não se vai.

Alegria, minha alma enamora de ti!

Simone Profeta.


.
sábado, 25 de fevereiro de 2012

Por não estarem distraidos


Havia a levíssima embriaguez de andarem juntos, a alegria como quando se sente a garganta um pouco seca e se vê que, por admiração, se estava de boca entreaberta: eles respiravam de antemão o ar que estava à frente, e ter esta sede era a própria água deles.

Andavam por ruas e ruas falando e rindo, falavam e riam para dar matéria peso à levíssima embriaguez que era a alegria da sede deles. Por causa de carros e pessoas, às vezes eles se tocavam e, ao toque - a sede é a graça, mas as águas são uma beleza de escuras - e ao toque brilhava o brilho da água deles, a boca ficando um pouco mais seca de admiração.

Como eles admiravam estarem juntos!

Até que tudo se transformou em não.

Tudo se transformou em não quando eles quiseram essa mesma alegria deles. Então, a grande dança dos erros. O cerimonial das palavras desacertadas. Ele procurava e não via, ela não via que ele não vira ela que estava ali, no entanto. No entanto ele que estava ali.

Tudo errou, e havia a grande poeira das ruas, e quanto mais erravam, mais com aspereza queriam, sem um sorriso. Tudo, só porque tinham prestado atenção, só porque não estavam bastante distraídos. Só, porque, de súbito exigentes e duros, quiseram ter o que já tinham. Tudo, porque quiseram dar um nome; porque quiseram ser, eles que eram.

Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair de casa para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios. Tudo, tudo por não estarem mais distraídos. 

Clarice Lispector.

.
sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Canção do amor que chegou


Eu não sei, não sei dizer
Mas de repente essa alegria em mim
Alegria de viver
Que alegria de viver
E de ver tanta luz, tanto azul!

Quem jamais poderia supor
Que de um mundo que era tão triste e sem cor
Brotaria essa flor inocente
Chegaria esse amor de repente
E o que era somente um vazio sem fim
Se encheria de cores assim.

Coração, põe-te a cantar
Canta o poema da primavera em flor
É o amor, o amor chegou
Chegou enfim.

Vinicius de Moraes.

.
quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A arte de perder


A arte de perder não é nenhum mistério
tantas coisas contém em si o acidente
de perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouco a cada dia. Aceite austero,
a chave perdida, a hora gasta bestamente.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Depois perca mais rápido, com mais critério:
lugares, nomes, a escala subseqüente
da viagem não feita. Nada disso é sério.

Perdi o relógio de mamãe. Ah! E nem quero
lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Perdi duas cidades lindas. Um império
que era meu, dois rios, e mais um continente.
Tenho saudade deles. Mas não é nada sério.

Mesmo perder você ( a voz, o ar etéreo, que eu amo)
não muda nada. Pois é evidente
que a arte de perder não chega a ser um mistério
por muito que pareça (escreve) muito sério.

Elisabeth Bishop.


.
quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Observe a Natureza


O rio passa, segue seu caminho, mas não deixa de alimentar nenhum dos que estão em seu curso. Assim, você pode seguir a sua vida e não deixar de atender os mais necessitados, ou acolher aquele amigo que precisa de uma palavra amiga, sem deixar-se envolver na história, acabando assim, assumindo parte da dor que não lhe pertence.

O mar, com todo o seu poder, se abaixa humildemente para receber as águas dos rios, e assim, garante a sua força com gestos delicados, pois se usasse a força, com certeza desapareceria. Assim, você também deve aprender a conquistar pela humildade, sendo forte sim, mas delicado o suficiente para que as pessoas façam o que você pede pelo respeito conquistado, não pelo medo da sua imposição.

O vento que refresca a sua tarde pode se transformar em um furacão gigantesco e varrer uma cidade inteira. Ainda assim, passa silenciosamente todos os dias pelo mundo, espalhando sementes que vão alimentar o planeta. Assim como o vento, por onde você passar leve apenas o seu melhor, deixe boas sementes, deixe saudades, seja gentil.

A árvore é a grande companheira do homem, mas pouco valorizada, às vezes destruída cruelmente em troca de espaço para o gado, para uma roça maior, ou simplesmente para a construção de um condomínio ou casa luxuosa. Mesmo assim, continua suprindo o mundo com oxigênio, filtrando o gás carbônico, oferecendo sombra nos dias quentes, flores, frutos, sementes que viram óleo, madeira que vira mesa, cama e até seu caixão.

Por isso, seja como a árvore, serve sempre. Não deixe a revolta tomar conta da sua alma. A revolta é um câncer que corrói o que temos de melhor: a esperança!

Por fim, se a dor te visitar, antes de cair na facilidade da reclamação, antes de se deixar levar pelo fato de ser sempre a vítima, pare e observe a plantação lá fora. Observe o agricultor semeando o dia inteiro.

O que plantou algodão já faz as contas da safra de algodão. O que plantou milho já sabe quantas espigas esperar. E, mesmo que perca toda a produção, não vai encontrar jamais um fruto diferente do que plantou. Assim, pare e pense no que você tem plantado, quais sãos os frutos que estão no seu cesto?

Quem semeia amor não vai colher outro fruto senão o mesmo amor.

Paulo Roberto Gaefke.

.
terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Estrelas e Cometas


Há pessoas estrelas e há pessoas cometas...

Os cometas passam. Apenas são lembrados pelas datas que passam e que retornam. As estrelas permanecem. O sol permanece. Passam anos, milhões de anos, e as estrelas permanecem.

Há muita gente cometa. Passa pela vida da gente apenas por instantes. Gente que não prende ninguém e a ninguém que se prende.

Gente sem amigos, gente que passa pela vida sem iluminar, sem aquecer, sem marcar presença.

Importante é ser estrela. Estar junto. Ser luz. Ser calor. Ser vida.

Amigo e Paixões são estrelas. Podem passar anos. Podem surgir distâncias, mas a marca fica no coração. Coração que não quer enamorar-se de cometas, que apenas atraem olhares passageiros.

Ser cometa é ser companheiro por instantes, explorar os sentimentos humanos, ser aproveitador das pessoas e das situações, fazer-se acreditar e desacreditar ao mesmo tempo.

Solidão é resultado de uma vida cometa. Ninguém fica, todos passam. Há necessidades de criar um mundo de estrelas. Todos os dias poder contar com elas e poder sentir seu calor.

Assim são os amigos estrelas na vida da gente. São coragem nos momentos de tensão. São luz nos momentos de desânimo.

Ser estrela neste mundo passageiro, nesse mundo cheio de pessoas cometas, é desafio, mas acima de tudo uma recompensa.

Recompensa de ter sido luz para muitos amigos, ter sido calor para muitos corações, ter nascido e vivido e não apenas existido.

E eu tenho você como meu amigo estrela!

Desconheço a autoria.

.
sábado, 18 de fevereiro de 2012

Aqui


Aqui
Eu nunca disse que iria ser
A pessoa certa pra você
Mas sou eu quem te adora
Se fico um tempo sem te procurar
É pra saudade nos aproximar
E eu já não vejo a hora

Eu não consigo esconder
Certo ou errado, eu quero ter você
Você sabe que eu não sei jogar
Não é meu dom representar
Não dá pra disfarçar
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está
Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim

Aqui
Agora que você parece não ligar
Que já não pensa e já não quer pensar
Dizendo que não sente nada
Estou lembrando menos de você
Falta pouco pra me convencer
Que sou a pessoa errada

Eu não consigo esconder
Certo ou errado, eu quero ter você
Você sabe que eu não sei jogar
Não é meu dom representar
Não dá pra disfarçar
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está
Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim

Ana Carolina.

.




.
sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Hoje é tempo de ser feliz


A vida é fruto da decisão de cada momento. Talvez seja por isso que a idéia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver.


Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existência as mais diversas formas de sementes.


Cada escolha, por menor que seja, é uma forma de semente que lançamos sobre o canteiro que somos. Um dia, tudo o que agora silenciosamente plantamos, ou deixamos plantar em nós, será plantação que poderá ser vista de longe...


Para cada dia, o seu empenho. A sabedoria bíblica nos confirma isso, quando nos diz que "debaixo do céu há um tempo para cada coisa!"

Hoje, neste tempo que é seu, o futuro está sendo plantado. As escolhas que você procura, os amigos que você cultiva, as leituras que você faz, os valores que você abraça, os amores que você ama, tudo será determinante para a colheita futura.


Felicidade talvez seja isso: alegria de recolher da terra que somos, frutos que sejam agradáveis aos olhos! Infelicidade, talvez seja o contrário.


O que não podemos perder de vista é que a vida não é real fora do cultivo. Sempre é tempo de lançar sementes. Sempre é tempo de recolher frutos. Tudo ao mesmo tempo. Sementes de ontem, frutos de hoje, sementes de hoje, frutos de amanhã! Por isso, não perca de vista o que você anda escolhendo para deixar cair na sua terra.


Cuidado com os semeadores que não lhe amam... eles têm o poder de estragar o resultado de muitas coisas...


Cuidado com os semeadores que você não conhece... há muita maldade escondida em sorrisos sedutores...

Cuidado com aqueles que deixam cair qualquer coisa sobre você... afinal, você merece muito mais que qualquer coisa...

Cuidado com os amores passageiros... eles costumam deixar marcas dolorosas que não passam...


Cuidado com os invasores do seu corpo... eles não costumam voltar para ajudar a consertar a desordem...


Cuidado com os olhares de quem não sabe lhe amar... eles costumam lhe fazer esquecer que você vale à pena...


Cuidado com as palavras mentirosas que esparramam por aí... elas costumam estragar o nosso referencial da verdade...


Cuidado com as vozes que insistem em lhe recordar os seus defeitos... elas costumam prejudicar a sua visão sobre si mesmo.


Não tenha medo de se olhar no espelho. É nessa cara safada que você tem, que Deus resolveu expressar mais uma vez, o amor que Ele tem pelo mundo.

Não desanime de você, ainda que a colheita de hoje não seja muito feliz.


Não coloque um ponto final nas suas esperanças. Ainda há muito o que fazer, ainda há muito o que plantar, e o que amar nessa vida.


Ao invés de ficar parado no que você fez de errado, olhe para frente, e veja o que ainda pode ser feito...


A vida ainda não terminou. E já dizia o poeta "que os sonhos não envelhecem..."


Vai em frente. Sorriso no rosto e firmeza nas decisões.


Deus resolveu reformar o mundo, e escolheu o seu coração para iniciar a reforma.

Isso prova que Ele ainda acredita em você. E se Ele ainda acredita, quem sou eu pra duvidar... (?)


Padre Fábio de Melo.


.
quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Amor, só, não basta


"Por mais que o poder e o dinheiro tenham conquistado uma ótima posição no ranking das virtudes, o amor ainda lidera com folga.

Tudo o que todos querem é amar.

Encontrar alguém que faça bater forte o coração e justifique loucuras.

Que nos faça entrar em transe, cair de quatro, babar na gravata.

Que nos faça revirar os olhos, rir à toa, cantarolar dentro de um ônibus lotado.

Depois que acaba esta paixão retumbante, sobra o que? O amor. Mas não o amor mistificado, que muitos julgam ter o poder de fazer levitar.

O que sobra é o amor que todos conhecemos, o sentimento que temos por mãe, pai, irmão, filho. É tudo o mesmo amor, só que entre amantes existe sexo.

Não existem vários tipos de amor, assim como não existem três tipos de saudades, quatro de ódio, seis espécies de inveja.

O amor é único, como qualquer sentimento, seja ele destinado a familiares, ao cônjuge ou a Deus.

A diferença é que, como entre marido e mulher não há laços de sangue, a sedução tem que ser ininterrupta. Por não haver nenhuma garantia de durabilidade, qualquer alteração no tom de voz nos fragiliza, e de cobrança em cobrança acabamos por sepultar uma relação que poderia ser eterna.

Casaram. Te amo prá lá, te amo prá cá. Lindo, mas insustentável. O sucesso de um casamento exige mais do que declarações românticas.

Entre duas pessoas que resolvem dividir o mesmo teto, tem que haver muito mais do que amor, e às vezes, nem necessita de um amor tão intenso.

É preciso que haja, antes de mais nada, respeito. Agressões zero. Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência.

Amor, só, não basta.

Não pode haver competição. Nem comparações. Tem que ter jogo de cintura para acatar regras que não foram previamente combinadas.

Tem que haver bom humor para enfrentar imprevistos, acessos de carência, infantilidades.

Tem que saber levar.

Amar, só, é pouco.

Tem que haver inteligência. Um cérebro programado para enfrentar tensões pré-menstruais, rejeições, demissões inesperadas, contas pra pagar.

Tem que ter disciplina para educar filhos, dar exemplo, não gritar. Tem que ter um bom psiquiatra.

Não adianta, apenas, amar.

Entre casais que se unem visando a longevidade do matrimônio tem que haver um pouco de silêncio, amigos de infância, vida própria, um tempo pra cada um. Tem que haver confiança. Uma certa camaradagem, às vezes fingir que não viu, fazer de conta que não escutou.

É preciso entender que união não significa, necessariamente, fusão.

E que amar, "solamente", não basta.

Entre homens e mulheres que acham que o amor é só poesia, tem que haver discernimento, pé no chão, racionalidade. Tem que saber que o amor pode ser bom, pode durar para sempre, mas que sozinho não dá conta do recado. O amor é grande, mas não é dois. 

É preciso convocar uma turma de sentimentos para amparar esse amor que carrega o ônus da onipotência. O amor até pode nos bastar, mas ele próprio não se basta.

Um bom amor aos que já têm!
Um bom encontro aos que procuram!
E felicidades a todos nós!"


Arthur da Tavola.

.
quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Amar é...


O que é amar?

Amar é olhar para dentro de si mesmo e dizer: eu quero é viver intensamente! É sonhar com uma gota de realidade, é realizar uma gota desse sonho. É estar presente até na ausência.

Amar é ter em quem pensar. É uma razão que ninguém teria razão de tirar. É ser só de alguém e não deixar esse alguém só. É pensar em você tão alto ao ponto de você escutar.

Amar é ir até a morte, é acordar para a realidade do sonho, é vencer através do silêncio. É ser feliz até com um pouco, quando muito não é o bastante.

Amar é dar anistia ao coração. É sonhar o sonho de quem sonha com você. É sentir saudade, é chegar perto da distância.

Amar é a força da razão, é quando os momentos são eternos.

Amar é viver a vida em versos e o inverso.

Desconheço a autoria.

.
terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Lagarta


Hoje eu acordei lagarta. Vejo-me lagarta, sinto-me lagarta, cheiro-me lagarta. Lagarta feia, desprezada, pisada. Lagarta que incomoda. E, lagarta que sou, hoje não chamei a atenção de ninguém na rua. Ninguém me viu, ou se viu, fez que não viu. Todos me pareceram muito preocupados com seu próprio umbigo. E eu, que nem umbigo tenho?

Andando solitariamente lagarta pela rua inundada do sol quente de um inverno falido, vi o quanto uma lagarta não faz diferença para o mundo. E será que todas essas pessoas, que por mim passaram apressadas e ensimesmadas, que se acham muitíssimo importantes, fazem alguma? Será que têm a importância que julgam ter? Será que...

Hoje, lagarta, quero sofrer a dor de não ser vista, cheirada, amada. Hoje, lagarta, quero sofrer a dor de todos aqueles que também são ou se sentem assim. Quero silenciar minha pena, calar minha boca, fechar meus ouvidos... para simplesmente ver.

Que meus olhos estejam absolutamente sensíveis a toda e qualquer situação humana. Quem sabe, como lagarta, eu consiga entender um pouco mais dessa louca nau que viaja no infinito sem rumo certo e nem hora pra chegar. Quem sabe como lagarta eu possa vislumbrar melhor a dor de toda uma humanidade que corre, se esfalfa e, às vezes, até morre sem saber porquê. Quem sabe como lagarta eu possa compreender que toda e qualquer situação, vista de outro ângulo, tem outro significado. Quem sabe como lagarta eu consiga abrir mão de meus insanos desejos de perfeição.

Como lagarta eu posso me aceitar feia. Como lagarta eu posso me aceitar incompleta. Como lagarta eu posso me aceitar limitada. Como lagarta eu posso ter dor. Como lagarta eu posso passar sem ser notada, admirada ou criticada.

Hoje eu acordei lagarta. E isso me faz mais pura, porque assim me permito um contato mais direto com a dor e o descaso.

Como lagarta vejo humanos anônimos buscando um pouco de fé, saúde e dinheiro no bolso. Como lagarta vejo a busca insana dos que não se sentem anônimos, dos que se sentem especiais, mas que, nem por isso são menos vulneráveis. Nem por isso. Como lagarta eu vejo, como lagarta eu sei. Mas eles, pobre deles, não se sabem limitados, não se sabem feios, não se sabem pequenos.

Seu delírio de grandeza é tamanho que só se sabem belos, inteligentes, poderosos... Pobres deles!

Como lagarta eu beijo o chão e como o pão que o diabo amassou. Como lagarta eu me dou por inteira ao sentimento de inutilidade das coisas, de imprecisão das pessoas. Como lagarta eu vejo, vejo, vejo...

Como lagarta estou, mas sei que este estar lagarta vai me possibilitar o vôo profundo e definitivo da borboleta. Borboleta que se lança no ar e rompe o tempo e o espaço. Borboleta que, justamente por ter acordado lagarta um dia, sabe que a dor e a alegria são faces da mesma moeda. Borboleta que se permite sonhar.

Bendita lagarta que sou hoje, pois é essa lagarta que me dará as asas necessárias ao vôo sublime, ao salto decisivo que me lançará no colo definitivo, no abraço eterno, no Amor maior.

Desconheço a autoria.

.
segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Almas gêmeas


Ninguém jamais conseguiu explicar como foram criadas as almas gêmeas, mas eu me lembro bem dessa história.

Estavam lá no céu, todas as almas, umas eram somente razão, outras somente emoção, duas filas distintas.

Finalmente, chegou a minha vez de ser colocada em uma das filas. Olhei para ambas e me identifiquei com a da razão. Acontece, porém, que quando avistei você na da emoção, meus olhos brilharam, foi como se fosse um imã a me puxar.

Aproximei-me do Criador e lhe disse:

- "Eu gostaria de ficar na fila da emoção, pode ser? É que existe uma doce alma por lá, que me encantou".

- "Está bem", falou-me Ele, "você até poderá escolher seu lugar, mas antes quero lhe explicar algo, depois então você fará a sua opção".

"Existem almas que são gêmeas, tudo nelas é igual; a única diferença que eu coloquei foi a razão e a emoção, justamente para que elas possam se completar, é como se fosse um encaixe. Possuo uma grande percepção para distinguir as almas gêmeas e por isso entendi que aquela que se encontra ali na fila da emoção é a sua (Ele falou apontando para você). Daí querer te colocar na da razão."

"Caso vocês fiquem juntas, o encanto das almas gêmeas se acabará, ao passo que se ficarem separadas, ele permanecerá. No entanto, devo lhe contar algo: as almas gêmeas nem sempre se encontram, porém vivem sempre unidas pelo coração e por elas próprias. Por outro lado, quando se encontram, jamais se separam, nem mesmo eu consigo executar esse afastamento."

Entendi naquele momento que a razão não sobrevive sem a emoção. E a emoção por sua vez, precisa da razão para viver.

Nesse instante fiz a minha escolha:

- "Prefiro a fila da razão!"

Encaminhei-me para o meu lugar, me posicionei e nesse mesmo instante, você, que não tinha até então percebido a minha presença, olhou-me  e sorriu!

Hoje eu sou a razão, você a emoção, eu te dou o chão e você me leva à lua.

Hoje eu entendo o que o Criador quis me dizer com: "…é como se fosse um encaixe."

Hoje eu sou a razão correndo atrás da emoção e você é a emoção pedindo aos céus que eu possa pertencer à mesma fila que você.

Mas o que você não sabe é que fui eu mesma quem escolheu o meu lugar, só para ser a sua alma gêmea.

O que você não sabe é que, mesmo antes de pertencer a qualquer uma das filas, eu já te amei.

Quando voltarmos para o lado de lá, você há de entender tudo isso, e se eu puder escolher uma das filas novamente, eu ainda vou querer ficar separada de você. A única diferença é que escolherei a fila da emoção para sonhar como você sonhou e que você fique na da razão para entender como eu sofri!!!

Silvana Duboc.

.
sábado, 11 de fevereiro de 2012

Sua estrada


Há uma estrada cujo único dono e senhor é você: é a Estrada do Seu Pensamento!

Nela você também é o único vigilante rodoviário. Você tem se aplicado algumas merecidas multas?

Note que a Estrada do Seu Pensamento pode ser percorrida do jeito que você quiser escolher.

Nela, as placas de sinalização é você quem faz e elas sempre o levarão para onde você deixar.

Perceba que lombadas e valetas também são colocadas por você, portanto, você é o único responsável pelo conforto ou desconforto de suas “viagens.”

Você pode escolher as paisagens: árvores verdes e viçosas ou troncos secos e cheios de cupins.

Poderá, ainda, entrar por túneis ricamente iluminados ou pelos escuros e sombrios, pondo-se à mercê de atropelamentos, trombadas e graves acidentes.

Nela há também os passantes, que é você quem escolhe, e eles poderão acompanhá-lo em suaves e repousantes passeios ou encher seu caminho das mais variadas, pontiagudas e perigosas pedras.

Observe as retas, as curvas, os atalhos, as bifurcações e os bloqueios que é você mesmo quem coloca.

A Estrada do Seu Pensamento não é de mão única e você pode retornar sempre que decidir.

Lembre-se que há pontos onde pode começar a insanidade ou a verdadeira saúde mental, a tristeza ou a alegria.

A bênção ou a maldição, um recomeço, uma nova vida ou a queda para um amargo fim.

Aonde você quer chegar?

Há todo tipo de operário nessa estrada, mas você é o chefe!

Silvia Schmidt.

.
sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

O eterno e o passageiro


Muitos sonham com o amor eterno, aquele que permanece a vida toda. Aquele que vai acalentar as horas dos dias e noites, que vai aquecer os pés e as orelhas, que vai estar sempre disponível, para alcançar a lua e as estrelas.

Então, de tão certinho que é, não alimenta mais as fantasias, o imaginário deixa de reinventar, a mesmice se instala, a cegueira entorpece, o coração não mais trepida, as mãos não comparecem e apenas o relógio marca as horas do dia, num compasso sempre rotineiro, assim como o amor se tornou, tão certinho e acomodado que ninguém percebeu.

E um dia, de repente, os sonhadores do amor eterno, descobrem que as suas distâncias são superiores a de um corpo que deveria encaixar-se como côncavo-convexo. As buscas existenciais e prazerosas se tornaram duas paralelas que nunca mais, em tempo algum, irão se encontrar de novo, e as criaturas, de costas uma para a outra, experimentam a sensação do vazio, embora estejam perto.

E o susto é tamanho, com a desproporção desvelada, que a aceitação leva algum tempo.

Contudo, assim como num compasso de valsa, há o ritmo, a pausa e o compasso no utópico amor eterno, há um ritmo que se perdeu no tempo e na memória, uma pausa que se tornou difusa, descontinuada e um compasso que desacertou há tempos, a dança dos dias e noites em que a música do amor era ouvida por toda a vizinhança, que curiosa, agora pergunta:

- "O que foi feito daqueles dois que sempre pareceram ser apaixonados eternos?"

E uma esperta borboleta azul responde:

- "A eternidade está a um passo de se tornar passageira do tempo, sempre que o amor e a paixão se tornam partes e não o todo dos amantes. Sempre que eles se esquecem de regar a plantinha, cultivando a terra, adubando com carinho, retirando as ervas daninhas do tédio e, acima de tudo, deixando a frágil plantinha sob o sol, do cuidar constante, com desvelo, mimos e afagos."

Quando os corpos não mais se atraem, os beijos não tem o sabor de quero mais, os abraços não são tão fortes, não se ouve a batida do coração do outro, em uníssono com a nossa, e os enlaces tornam-se frouxos o suficiente para caberem outros devaneios e fantasias extemporâneas.

E assim, nem mais nem menos, os amores eternos se decompõem nem sempre tão calmos e serenos, mas de estupefata conclusão se dispõem.

Num derradeiro gran finale valsante, cada criatura silente toma o seu rumo, na liberdade cada qual torna-se viajante, que busca entender o passado num resumo.

"Nada é eterno, tudo é passageiro"

Desconheço o autor.

.
quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Entre a saudade e a memória


A vida se parece com uma gigantesca soma de experiências, uma imensa adição de dias, semanas e anos, um longo acréscimo de desilusões, às vezes um acúmulo de gordura, de riqueza ou de dívidas e, definitivamente, um ajuntamento de memórias.

A memória é a história que vamos construindo ao longo da nossa vida. As viagens que fizemos, os aniversários e festas, os amigos e colegas que já não fazem mais parte do nosso convívio, alguns dos namoros, noivados e casamentos desfeitos, a formatura, as escolas onde estudamos, enfim, um inventário de acontecimentos que são elementos do passado e já não são mais parte da nossa convivência. Apenas da nossa memória.

Felizmente nossa memória não é perfeita, não grava tudo, tudo que nos aconteceu. Se assim fosse, ficaríamos loucos. Não sei do que não me lembro mais, das coisas já perdidas no esquecimento, da poeira que deixei para trás nesse caminhar. E isso me faz feliz. Esquecer é perdoar, e é uma das formas de liberdade mais legítimas que conheço.

Mas toda memória que transcende de ser história, e nos faz sentir falta dela, pode ser chamada de saudade. Os objetos de nossa saudade ficam eternos. Porque são incorporados pela nossa alma, deles nunca vamos esquecer. Só sentimos saudades daquilo que valeu a pena. Daquilo que amamos tão profundamente que chega a nos doer  a sua ausência. Que nos digam os exilados privados de sua pátria amada. As mães que perderam seus filhos e os filhos que viram morrer seus pais. Que nos murmurem os casais que se amam, mas não podem mais ficar juntos...

Saudade é um suntuoso monumento que construímos para homenagear acontecimentos e pessoas que amamos.

Saudade é uma forma de tristeza por representar a ausência do que desejamos presença. Uma dor muitas vezes inconsolável e incompreensível para os que não a sentem. E tristeza é algo inescapável na vida, mas a tristeza não pode jamais se tornar sofrimento. Essa tristeza da qual falo é coisa pra quem tem alegria de sobra.

Daí equilibra.

Desconheço a autoria.

.
quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Amizade


Falamos muito em sentimentos, emoções, propostas de vida diferentes daquelas que conhecemos e até mesmo que vivemos.

Sorrimos muito quando estamos apaixonados, dançamos, falamos sozinhos, temos o chamado "pique" para trabalhar e estudar. O coração salta nos olhos vivos e imaginamos um futuro brilhante ao lado do ser amado.

Mas, um belo dia, acordamos e o sol não brilha mais, o céu acinzentado nos abre a cortina da escuridão, do medo de viver. E as lágrimas rolam, nascidas da nossa desilusão, do sentimento de rejeição. E então, amargurados, odiamos o mundo, as flores, os pássaros, os vizinhos, o trabalho, a noite, o dia... Abraçamos apenas a dor da separação e, no fundo do poço, encontramos todo o nosso potencial de angústia.

Alguém quieto, meio sem ser percebido, repetindo palavras corriqueiras, simplórias, tenta nos chamar a atenção e, pacientemente, se coloca ao nosso lado ouvindo o gritar da nossa dor, dela compartilhando conosco, oferecendo-nos um sorriso meio de lado, para não nos agredir. Nos oferece um copo de água, um passeio ao shopping, uma ida ao cinema, uma roupa bonita, um caminhar junto. Meio sem saber, mas sabendo de
tudo, coloca-se como estátua ao nosso lado, esperando o momento certo.

Estou falando de um sentimento que poucos nutrem e, por isso, pouco conhecem. Estou falando da amizade, da calma, da paciência, do bem querer, do respeitar, do falar alto sem gritar, do sorrir no chorar, do ouvir, do aceitar, do acreditar de que o amigo é capaz, mesmo quando não consegue andar.

Amizade...

Queira Deus que possamos, a partir de já, nos apresentarmos a ela. E assim poderemos, amanhã, apresentá-la a alguém. Quem será?

Desconheço o autor.

.
terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Almas que se encontram


Dizem que para o amor chegar não há dia, não há hora e nem momento marcado para acontecer. Ele vem de repente e instala-se no mais sensível dos nossos órgãos, o coração.

Começo a acreditar que sim. Mas percebo também que, pelo fato deste momento não ser determinado pelas pessoas, quando chega, quase sempre os sintomas são arrebatadores. Vira tudo às avessas e a confusão faz-se de convidada.

Quando duas almas se encontram, o que realça primeiro não é a aparência física, mas a semelhança das almas. Elas compreendem-se e sentem falta uma da outra. Entristecem-se por não terem se encontrado antes, afinal tudo poderia ser tão diferente.

No entanto, sabem que o caminho é este e que não haverá retorno para as suas pretensões. É como se elas falassem além das palavras, entendessem a tristeza do outro, a alegria, o desejo, mesmo estando em lugares diferentes.

Quando almas afins se entrelaçam passam a sentir saudade uma da outra num processo contínuo de reaproximação até a consumação. Almas que se encontram podem sofrer bastante também, pois muitas vezes tais encontros acontecem em momentos onde não mais podem extravasar toda a plenitude do amor que carregam, toda a alegria de amar e querer compartilhar a vida com o outro, toda a emoção contida à espera do encontro fatal.

Desejam coisas que se tornam quase impossíveis, mas que são tão simples de viver. Como ver o pôr-do-sol, caminhar por uma estrada com lindas árvores, ver a noite chegar, ir ao cinema e comer pipocas, rir e brincar, discutir às vezes, mas fazer as pazes com um jeitinho muito especial. Amar e amar, muitas vezes sabendo que logo depois poderão estar juntas de novo sem que a despedida se faça presente.

Porém, muitas vezes, elas encontram-se num tempo e espaço diferentes do que suas realidades possam permitir. Mas depois de se encontrarem, ficam marcadas, tatuadas e ainda que nunca venham a caminhar para sempre juntas, elas jamais conseguirão separar-se. E o mais importante: terão de encontrar-se em algum lugar.

Almas que se encontram jamais se sentirão sozinhas; no entanto, entenderão, por si só, a infinita necessidade que têm uma da outra para toda a eternidade.

Desconheço a autoria.

.
segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Abençoadas!

 
Abençoadas sejam as surpresas risonhas do caminho! As belezas que se mostram sem fazer suspense. As afeições compartilhadas sem esforço. As vezes em que a vida nos tira pra dançar sem nos dar tempo de recusar o convite.

As maravilhas todas da natureza, sempre surpreendentes, à espera da nossa entrega apreciativa. A compreensão que floresce, clara e mansa, quando os olhos que vêm são da bondade.

Abençoados sejam os presentes fáceis de serem abertos. Os encantos que desnudam o erotismo da alma. Os momentos felizes que passam longe das catracas da expectativa. Os improvisos bons que desmancham o penteado arrumadinho dos roteiros da gente. Os diálogos que acontecem no idioma pátrio do coração. Abençoada seja a leveza, meu Deus.

Abençoadas sejam as dádivas generosas que vêm nos lembrar que viver pode ser mais fácil. Que amar e ser amado pode ser mais fluido. Que dá pra girar o dial. Que dá pra sair da frequência da escassez e sintonizar a estação da disponibilidade, onde alegrias já cantam, mas a gente não ouve.
Abençoadas sejam as dádivas que vêm nos lembrar, com alívio, que há lugares de descanso para os nossos cansaços. Que há lugares de afrouxamento para os nossos apertos. Que dá pra mudar o foco. Que não é tão complicado assim saborear a graça possível que mora em cada instante. 

Abençoadas sejam as dádivas generosas que nos surpreendem...

Ana Jácomo.

.
domingo, 5 de fevereiro de 2012

Conselho



Deixe de lado esse baixo astral
Erga a cabeça
Enfrente o mal
Que agindo assim
Será vital para o seu coração


É que em cada experiência
Se aprende uma lição
Eu já sofri por amar assim
Me dediquei mas foi tudo em vão


Pra que se lamentar
Se em sua vida pode encontrar
Quem te ame com toda força e ardor
Assim sucumbirá a dor (tem que lutar)


Tem que lutar
Não se abater
Só se entregar
A quem te merecer


Não estou dando nem vendendo
como o ditado diz
o meu conselho é pra te ver, Feliz

Almir Guineto.

.



.
sábado, 4 de fevereiro de 2012

Conselhos de um velho apaixonado


Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida!

Se os olhares se cruzarem e neste momento houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu!

Se o toque dos lábios for intenso, e se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d'água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês!

Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar seu coração, agradeça: algo do céu te mandou um presente divino, o amor!

Se um dia tiverem que pedir perdão um ao outro por algum motivo e, em troca, receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos e os gestos valerem mais que mil palavras, entregue-se: vocês foram feitos um pro outro!

Se por algum motivo você estiver triste, se a vida te deu uma rasteira e a outra pessoa sofrer o seu sofrimento, chorar as suas Lágrimas e enxugá-las com ternura, que coisa maravilhosa: você poderá contar com ela em qualquer momento de sua vida!

Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado...

Se você achar a pessoa maravilhosamente linda, mesmo ela estando de pijamas velhos,
chinelos de dedo e cabelos emaranhados...

Se você não consegue trabalhar direito o dia todo, ansioso pelo encontro que está marcado para a noite...

Se você não consegue imaginar, de maneira nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado...

Se você tiver a certeza que vai ver a outra pessoa envelhecendo e, assim, tiver a convicção que vai continuar louco por ela...

Se você preferir fechar os olhos antes de ver a outra partindo...

É o amor que chegou na sua vida!

Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes na vida, mas poucas amam ou encontram um amor verdadeiro.

Às vezes encontram e, por não prestarem atenção nesses sinais, deixam o amor passar, sem deixá-lo acontecer verdadeiramente.

É o livre-arbítrio.

Por isso, preste atenção nos sinais.

Não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: o amor!

Carlos Drummond de Andrade.

.
sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Estrelas


Toda pessoa traz consigo estrelas que a vida concede.

Estrelas de brilhar, estrelas de crescer, estrelas de encontrar o caminho do sonho que se persegue.

Saber reconhecer os brilhos e as estrelas é o nosso destino.

Porque há quem se encante com o brilho de estrelas que não são suas e se perde.

Há quem deseje o brilho de outra mais distante e por isso passa quase todo o tempo como passageiro, nas estações, à espera de um trem para lugar nenhum.

Aceitar as estrelas que trazemos é o que faz a diferença entre o que queremos ser e o que verdadeiramente somos.

Brilhar é acreditar na força que elas têm, desvendar seus mistérios, e aí, então, deixar que suas luzes se derramem alma adentro e tanto, que carregar as estrelas seja como conduzir um candeeiro, para que, onde quer que se vá, longe, alto, possam os outros perceber a claridade.

Esse é o desejo: uma felicidade intensa hospedada definitivamente em seu coração, como estrelas na palma das mãos a iluminar os caminhos.

José Oliva.

.
quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Continue andando!


Na vida, às vezes, as coisas andam muito devagar. Mas é importante não parar. Mesmo um pequeno avanço na direção certa já é um progresso, e qualquer um pode fazer um pequeno progresso.

Se você não conseguir fazer uma coisa grandiosa hoje, faça alguma coisa pequena. Pequenos riachos acabam convertendo-se em grandes rios.

Continue andando e fazendo!

O que parecia fora de alcance esta manhã vai parecer um pouco mais próximo amanhã ao anoitecer se você continuar movendo-se para frente.

A cada momento intenso e apaixonado que você dedica a seu objetivo, um pouquinho mais você se aproxima dele.

Se você para completamente fica muito mais difícil começar tudo de novo.

Então, continue andando e fazendo!

Não desperdice a base que você já construiu. Existe alguma coisa que você pode fazer agora mesmo, hoje, neste exato instante. Pode não ser muito, mas vai mantê-lo no jogo.

Vá rápido quando puder.

Vá devagar quando for obrigado.

Mas seja lá o que for, continue.

O importante é não parar!

Desconheço o autor.

.
quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A qualquer preço


Só por hoje resistirei à tentação de me sentir deprimida e não terei pena de mim.

Só por hoje aceitarei, sem questionar, o que fui, o que sou e o que serei, sem me martirizar.

Só por hoje, e por você, a quem quero ver feliz, farei de minha vida uma festa.

Só por hoje, e valendo uma eternidade, beberei à alegria.

Só por hoje lembrarei apenas dos meus sonhos de criança, dos contos de fada, e dos finais felizes.

Só por hoje me deixarei contaminar pela alegria, rirei das minhas fantasias e do meu rosto pintado de colombina.

Só por hoje mostrarei a face da felicidade e não terei ouvidos para o murmúrio azedo de quem me quer ver triste.

Só por hoje acreditarei na magia do sorriso que deixarei estampado em minha face como espelho de minh´alma.

Só por hoje gritarei aos quatro cantos que sou feliz porque assim quero ser.

Só por hoje deixarei escapar a criança afogada em meu peito e brincarei com ela sem parar.

Só por hoje não permitirei que nada, nem ninguém, altere meu humor e encontrarei graça em tudo à minha volta.

Só por hoje estarei tão convicta de minha felicidade que não sentirei falta de nada, nem da saudade.

Só por hoje não admitirei pensamentos negativos, sentimentos de derrota, e serei apenas feliz.

Só por hoje apagarei as sombras do passado e esquecerei todos os males e terei os olhos voltados para o futuro.

Só por hoje tomarei as decisões que mudarão a minha vida e decidirei que optei pela felicidade.

Só por hoje, e por você, que quero ver feliz eternamente, decido que a partir de hoje, e para sempre, viverei feliz a qualquer preço!

Sylvia Cohin.

.

Sobre mim

Minha foto
Claudia Mei
É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo. Clarice Lispector
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Pesquisa

Carregando...

Sitemeter

Visualizações de páginas

Tecnologia do Blogger.