quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Observe a Natureza


O rio passa, segue seu caminho, mas não deixa de alimentar nenhum dos que estão em seu curso. Assim, você pode seguir a sua vida e não deixar de atender os mais necessitados, ou acolher aquele amigo que precisa de uma palavra amiga, sem deixar-se envolver na história, acabando assim, assumindo parte da dor que não lhe pertence.

O mar, com todo o seu poder, se abaixa humildemente para receber as águas dos rios, e assim, garante a sua força com gestos delicados, pois se usasse a força, com certeza desapareceria. Assim, você também deve aprender a conquistar pela humildade, sendo forte sim, mas delicado o suficiente para que as pessoas façam o que você pede pelo respeito conquistado, não pelo medo da sua imposição.

O vento que refresca a sua tarde pode se transformar em um furacão gigantesco e varrer uma cidade inteira. Ainda assim, passa silenciosamente todos os dias pelo mundo, espalhando sementes que vão alimentar o planeta. Assim como o vento, por onde você passar leve apenas o seu melhor, deixe boas sementes, deixe saudades, seja gentil.

A árvore é a grande companheira do homem, mas pouco valorizada, às vezes destruída cruelmente em troca de espaço para o gado, para uma roça maior, ou simplesmente para a construção de um condomínio ou casa luxuosa. Mesmo assim, continua suprindo o mundo com oxigênio, filtrando o gás carbônico, oferecendo sombra nos dias quentes, flores, frutos, sementes que viram óleo, madeira que vira mesa, cama e até seu caixão.

Por isso, seja como a árvore, serve sempre. Não deixe a revolta tomar conta da sua alma. A revolta é um câncer que corrói o que temos de melhor: a esperança!

Por fim, se a dor te visitar, antes de cair na facilidade da reclamação, antes de se deixar levar pelo fato de ser sempre a vítima, pare e observe a plantação lá fora. Observe o agricultor semeando o dia inteiro.

O que plantou algodão já faz as contas da safra de algodão. O que plantou milho já sabe quantas espigas esperar. E, mesmo que perca toda a produção, não vai encontrar jamais um fruto diferente do que plantou. Assim, pare e pense no que você tem plantado, quais sãos os frutos que estão no seu cesto?

Quem semeia amor não vai colher outro fruto senão o mesmo amor.

Paulo Roberto Gaefke.

.

0 comentários:

Sobre mim

Minha foto
Claudia Mei
É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo. Clarice Lispector
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Pesquisa

Carregando...

Sitemeter

Visualizações de páginas

Tecnologia do Blogger.