segunda-feira, 9 de agosto de 2010

O amor maduro

O amor maduro não é menor em intensidade. Ele é apenas silencioso.

Não é menor em extensão. É mais definido colorido e poetizado.

Não carece de demonstrações. Presenteia com a verdade do sentimento.

Não precisa de presenças exigidas. Amplia-se com as ausências significativas.

O amor maduro tem e quer problemas, sim, como tudo.
Mas vive dos problemas da felicidade.

Problemas da felicidade são formas trabalhosas de construir o bem, o prazer.


Problemas da infelicidade não interessam ao amor maduro.

Na felicidade está o encontro de peles, o ficar com o gosto da boca e do cheiro do outro - está a compreensão antecipada, a adivinhação, o presente de valor interior, a emoção vivida em conjunto, os discursos silenciosos da percepção, o prazer de conviver, o equilíbrio de carne e de espírito.

O amor maduro é a valorização do melhor do outro e a relação com a parte salva de cada pessoa.
Ele vive do que não morreu, mesmo tendo ficado para depois, vive do que fermentou criando dimensões novas para sentimentos antigos, jardins abandonados, cheios de sementes.

Ele não pede, tem.

Não reivindica, consegue.

Não percebe, recebe.

Não exige, oferece.

Não pergunta, adivinha.

Existe, para fazer feliz.
Atribuido a Arthur da Távora

1 comentários:

Joemir Rosa disse...

Amor maduro é que aquele que nada exige porque é completo ... que nada pede porque não cabe mais nada nele ... que nada mais oferece porque é via de mão dupla!!

Beijos!!!

Sobre mim

Minha foto
Claudia Mei
É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo. Clarice Lispector
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Pesquisa

Carregando...

Sitemeter

Visualizações de páginas

Tecnologia do Blogger.