sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Certas coisas

Não existiria som
Se não houvesse o silêncio
Não haveria luz
Se não fosse a escuridão
A vida é mesmo assim,
Dia e noite, não e sim...

Cada voz que canta o amor não diz
Tudo o que quer dizer,
Tudo o que cala fala
Mais alto ao coração.
Silenciosamente eu te falo com paixão...

Eu te amo calado,
Como quem ouve uma sinfonia
De silêncios e de luz.
Nós somos medo e desejo,
Somos feitos de silêncio e sons,
Tem certas coisas que eu não sei dizer...

A vida é mesmo assim,
Dia e noite, não e sim...

Eu te amo calado,
Como quem ouve uma sinfonia
De silêncios e de luz,
Nós somos medo e desejo,
Somos feitos de silêncio e sons,
Tem certas coisas que eu não sei dizer...

Lulu Santos





quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Pessoas são presentes

Vamos falar de gente, de pessoas... Existe, acaso, algo mais espetacular do que gente?

Pessoas são um presente. Algumas tem um embrulho bonito como os presentes de natal, páscoa ou festa de aniversário. Outras vem em embalagem comum, e há as que ficaram machucadas no correio. De vez em quando uma registrada, são os presentes valiosos.

Algumas pessoas trazem invólucros fáceis. De outras, é dificílimo, quase impossível, tirar a embalagem é fita durex que não acaba mais, mas a embalagem não é o presente e tantas pessoas se enganam, confundindo a embalagem com o presente.

Por que será que alguns presentes são complicados para a gente abrir? Talvez porque dentro da bonita embalagem haja muito pouco valor e bastante vazio, bastante solidão. A decepção seria grande.

Também você amigo, também eu. Somos um presente para os outros. Você para mim, eu para você. Triste se formos apenas um presente-embalagem: muito bem empacotado e quase nada, lá dentro!

Quando existe verdadeiro encontro com alguém, no diálogo, na abertura, na fraternidade, deixamos de ser mera embalagem e passamos à categoria de reais presentes.

Nos verdadeiros encontros humanos, acontecem coisas muito comoventes e essenciais:
mutuamente nós vamos desembrulhando, desempacotando, revelando. Você já experimentou essa imensa alegria da vida? A alegria profunda que nasce da alma, quando duas pessoas se comunicam virando um presente uma para outra?

Conteúdo interno é segredo para quem deseja tornar-se presente aos irmãos de cada estrada e não apenas embalagem. Um presente assim não necessita de embalagem. É a verdadeira alegria que a gente sente e não consegue descrever, só nasce no verdadeiro encontro com alguém.

A gente abre, sente e agradece a Deus.

S.eider/H. Hartm Shann
quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O sentido da vida

A vida, em si, não tem sentido. A vida é uma oportunidade para que se dê sentido a ela.

O sentido da vida não tem que ser descoberto: ele tem que ser criado. Você achará sentido na vida somente se você criá-lo.

Ele não está escondido atrás de arbustos, de forma que você possa ir, procurar um pouco e achá-lo. Ele não está lá fora, como uma rocha, para ser achado. Ele é um poema a ser composto, é uma canção a ser entoada, uma dança a ser dançada.

O sentido da vida é a dança, não a rocha. É a música. Você o achará somente se criá-lo.
 
Osho
terça-feira, 26 de outubro de 2010

O bordador

Chega um momento em que a gente se dá conta de que, às vezes, para sermos verdadeiros com nós mesmos, precisamos ter o desprendimento para abençoar as tentativas sem êxito, agradecer pelo o que cada uma nos ensinou, e seguir. De que, às vezes, para se reconstruir é preciso demolir construções que, por mais atraentes que sejam, não são coerentes com a idéia da nossa vida.

A gente se dá conta do quanto somos protegidos quando estamos em harmonia com o nosso coração. De que o nosso coração é essencialmente puro, essencialmente amoroso, o bordador capaz de tecer as belezas que se manifestam no território das formas.

De que, sabedores ou não, é ele que tem as chaves para as portas que dão acesso aos jardins de Deus. E, vez ou outra, quando em plena comunhão criativa, entra lá, pega uma muda de planta e traz para fazê-la florescer no canteiro do mundo.

Ana Jácomo
segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Amigos

Escolho meus amigos não pela pele ou outra característica qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.

A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco.

Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.

Não quero risos previsíveis nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.

Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril !!! 

Oscar Wilde

Nem tudo é fácil

É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.
É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada
É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.
É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.

É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.
É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo.
É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.

Se você errou, peça desculpas...
É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?
Se alguém errou com você, perdoa-o...
É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?

Se você sente algo, diga...
É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar alguém que queira escutar?
Se alguém reclama de você, ouça...
É difícil ouvir certas coisas? Mas quem disse que é fácil ouvir você?

Se alguém te ama, ame-o...
É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz?
Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível
Precisamos acreditar, ter fé e lutar para que não apenas sonhemos, Mas também tornemos todos esses desejos, realidade!!!
Cecília Meireles
domingo, 24 de outubro de 2010

Você me faz tão bem

Quando eu me perco é quando eu te encontro
Quando eu me solto seus olhos me vêem
Quando eu me iludo é quando eu te esqueço
Quando eu te tenho eu me sinto tão bem

Você me fez sentir de novo o que eu
Já não me importava mais
Você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem

Quando eu te invado de silêncio
Você conforta a minha dor com atenção
E quando eu durmo no seu colo
Você me faz sentir de novo
O que eu já não sentia mais

Você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem

Não tenha medo
Não tenha medo desse amor
Não faz sentido
Não faz sentido não mudar
Esse amor

Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem

Detonautas

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Tempo de travessia

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares.

É o tempo da travessia; e se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos...

Fernando Pessoa
terça-feira, 19 de outubro de 2010

Viva!!!




Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, pois o triunfo pertence a quem se atreve e a vida é muito para ser insignificante.

Charles Chaplin
segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Ser feliz é uma opção pessoal

Ser feliz é uma opção pessoal? Acreditem, é sim. Uma vez ouvi uma frase que dizia assim: "Sucesso é conseguir o que se quer. Felicidade é querer bem o que se tem". E é a mais pura verdade. Mas dentro de nossa visão egoísta e pequena, como gostar daquilo que conseguimos?

Como gostar do que somos? Como aceitar que as pessoas não são e não vão fazer tudo aquilo que desejamos e esperamos? É por isso que vivemos tristes e com uma sensação de vazio interior, apesar de vivermos em uma época onde somos bombardeados com tantas coisas para nos entreter, ainda sim, a grande massa vive frustrada, infeliz, descontente - parece que nada nos agrada o suficiente.

Como eu gosto de dizer, parece que a grande maioria de nós vive "em crise de birra", ou seja, se o mundo não é como eu quero, então eu não brinco mais - é para se pensar.

Nós não valorizamos nossas conquistas de vida. Entenda conquistas não apenas no sentido material, mas no sentido de nosso progresso e crescimento seja no âmbito familiar, pessoal, profissional e social. Quando a gente consegue algo que deseja, em um primeiro momento é a mais pura felicidade, mas logo em seguida nos cansamos dela, não a valorizamos e, por fim, acaba por se tornar algo banal em nossas vidas. Certamente, com essa visão de mundo, nunca seremos felizes realmente, pois, é como se estivéssemos a todo o momento em busca do inalcançável!

E como é a felicidade? Ora, todos nós já a vivemos, nem que seja por um instante. Lembre-se de um momento feliz em que você se sentiu pleno e realizado. Bom, isso é a felicidade - um momento. E, acredite, qualquer que tenha sido o motivo de sua felicidade - o nascimento de um filho, um novo romance, a compra de uma casa, um emprego novo, ou qualquer outra coisa - saiba que apenas você, através da sua individualidade, acreditou que isso fosse motivo para você se sentir feliz. Não que não seja. Quem não ficaria feliz se uma destas coisas acontecesse, porém, o que quero dizer, é que a felicidade está dentro do seu ponto de vista. É você que define o que pode lhe trazer a felicidade, é você que decide se vai aproveitar esse momento feliz e, o mais difícil, se vai prolongá-lo ou não. Certamente haverá momentos que terão o seu fim, mas o melhor de tudo será aproveitá-los enquanto você os vive.

Quantas vezes você parou para analisar suas conquistas, refletir sobre aquilo que te traz conforto, bem-estar e alegria? Se parássemos para nos concentrar no que temos, não ficaríamos tão frustrados e infelizes para aquilo que não temos ou "ainda" não conquistamos. Claro que devemos querer sempre algo mais, faz parte do ser humano crescer, expandir e progredir, ao invés da estagnação e conformismo. Mas ao nos sentirmos plenos desde já com aquilo que temos hoje, partindo do princípio que primeiro você deve sentir-se bem consigo mesmo, certamente tudo o que vier depois será algo a mais para nossa plenitude e não mais o motivo principal da nossa felicidade.

Bete Lima
sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Mudar

Quando nos dedicamos, com o coração, à busca do autoconhecimento, é inevitável que chegue um instante em que algumas mentiras que contávamos para nós mesmos passem a não funcionar mais.

Os disfarces até então utilizados para fortalecer o nosso autoengano já não nos servem.

Inábeis com a paisagem aos poucos revelada, às vezes ainda tentamos nos apegar a alguma coisa que possa encobrir a nossa lucidez, embaraçados que costumamos ser com as novidades, por mais libertadoras que sejam.

É em vão.

Impossível devolver a linha ao novelo depois que a consciência já teceu novos caminhos. Existem portas que se desmancham após serem atravessadas, como sonhos que se dissolvem ao acordarmos. Não há como retornar ao lugar onde a nossa vida dormia antes de cruzá-las.

Da estreiteza à expansão.
Da semente à flor.
Do casulo às asas, ensinam as borboletas.

Ana Jácomo
quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Educar

Nossos corpos são feitos de palavras. Assim podemos ser príncipes ou sapos, borboletas ou lagartas, campos selvagens ou monoculturas. Leonardos ou monótonos funcionários.
(...)
A este processo mágico pelo qual a palavra desperta o mundo adormecido se dá o nome de educação. Educadores são todos aqueles que têm este poder. A palavra tanto pode invocar príncipes quanto sapos, tanto pode acordar borboletas quanto lagartas.
(...)
O corpo de uma criança é um espaço infinito onde cabem todos os universos. Quanto mais ricos forem estes universos, maiores serão os vôos da borboleta, maior será o fascínio, maior será o número de melodias que saberá tocar, maior será a possibilidade de amar, maior será a felicidade.
(...)
Por vezes, entretanto, acontece uma metamorfose ao contrário: as borboletas voltam ao casulo e se transformam em lagartas. Porque voar é fascinante, mas perigoso. É preciso que não se tenha medo de flutuar sobre o vazio com asas frágeis. É mais seguro viver agarrado à folha que se come. E eu me pergunto sobre o que aconteceu conosco. Pois um dia fomos  borboletas aladas em busca de espaços sem limites. Talvez, por medo, tenhamos abandonado as asas. Talvez, por medo, já não sejamos capazes de voar e sonhar. Gordas lagartas que não têm coragem de se desprender das seguras folhas onde rastejam...
(...)
O nascimento do pensamento é igual ao nascimento de uma criança: tudo começa com um ato de amor. Uma semente há de ser depositada no ventre vazio. E a semente do pensamento é o sonho. Por isto os educadores, antes de serem especialistas em ferramentas do saber, deveriam ser especialistas em amor: intérpretes de sonhos
(...)
O professor é aquele que ensina a criança a fazer flutuar suas bolinhas de vidro dentro das bolhas de sabão...

Rubem Alves.
quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Sempre Clarice...

“Não entendo.

Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado.

Mas não entender pode não ter fronteiras.

Sinto que sou muito mais completa quando não entendo.” 

Clarice Lispector
terça-feira, 12 de outubro de 2010

A flor do amor


Quando em teu coração desabrocha, cheia de vida, a flor perfumada do amor, lembra-te que alguém a plantou certo dia, dentro de ti.
Quando o teu coração se ilumina do suave colorido do pôr-do-sol, lembra-te que alguém amanheceu contigo.



Quando o fogo da paixão abrasa o teu coração, consumindo todas as tuas fibras, na imolação do prazer, lembra-te que alguém acendeu esta chama.
Quando teu coração estiver bordado de sonhos dourados, tecidos com fios de luar, lembra-te que alguém coloriu teu mundo interior.

Quando a noite encontrar-te com o coração partido e angustiado pelas amarguras colhidas durante o dia, lembra-te que alguém possui o lenitivo de que precisas.
Quando teu rosto não puder conter a torrente de lágrimas que se afundam pelas dobras do travesseiro,lembra-te que existe alguém te esperando de lenço na mão.

Quando a insônia te revolve desesperadamente na cama,lembra-te que alguém pode semear sonhos de paz em tua mente.
Quando a solidão te oprimir e o teu grito não encontrar eco, lembra-te que lá do outro lado alguém ama a tua companhia e entende o teu clamor.

Quando os teus segredos não cabem mais dentro de ti, ameaçando romper os diques de tua alma,lembra-te que existe alguém disposto a recolhê-los e guardá-los com o carinho e a dignidade que tu esperas.
Quando em teu coração mora o azul do céu, a calidez do sol, o gorjeio dos pássaros,
o perfume das flores, a nostalgia do entardecer, o encanto das manhãs, a serenidade dos lagos e o sorriso da ventura, lembra-te que alguém tocou o teu coração com a varinha milagrosa do amor.

Tu, que amas e vives no controvertido mundo do arco-íris e da escuridão, da calma e da agitação, da paz e da instabilidade, saibas que existe mais alguém habitando o teu planeta! Nas horas felizes, partilha com ele teus sorrisos; Nas horas de solidão, vai, levanta-te e o procura, onde quer que ele esteja.

Ele não é senão parte de ti, assim como tu és parte dele.
Não olhes o relógio! Que importa as horas? A vida é tão curta, não há tempo a perder.

Tu que amas, se tiveres a coragem e a singeleza de assim o fazer, abra teus lábios e canta o milagre do amor, porque só o amor aproxima as pessoas e faz com que falem a mesma linguagem!

Lauro Trevisan
segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Porque eu sei que é amor

Porque eu sei que é amor
Eu não peço nada em troca
Porque eu sei que é amor
Eu não peço nenhuma prova

Mesmo que você não esteja aqui
O amor está aqui
Agora
Mesmo que você tenha que partir
O amor não há de ir
Embora

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
E eu peço somente
O que eu puder dar

Porque eu sei que é amor
Sei que cada palavra importa
Porque eu sei que é amor
Sei que só há uma resposta

Mesmo sem porquê eu te trago aqui
O amor está aqui
Comigo
Mesmo sem porquê eu te levo assim
O amor está em mim
Mais vivo

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
E eu peço somente
O que eu puder dar

Porque eu sei que é amor
Porque eu sei que é amor

Titãs


quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Simples assim

Tenho aprendido com o tempo que a felicidade vibra na frequência das coisas mais simples. Que o que amacia a vida, acende o riso, convida a alma pra brincar, são essas imensas coisas pequeninas bordadas com fios de luz no tecido áspero do cotidiano.

Como o toque bom do sol quando pousa na pele. A solidão que é encontro. O café da manhã com pão quentinho e sonho compartilhado. A lua quando o olhar é grande. A doçura contente de um cafuné sem pressa. O trabalho que nos erotiza. Os instantes em que repousamos os olhos em olhos amados.

O poema que parece que fomos nós que escrevemos. A força da areia molhada sob os pés descalços. O sono relaxado que põe tudo pra dormir. A presença da intimidade legítima. A música que nos faz subir de oitava. A delicadeza desenhada de improviso. O banho bom que reinventa o corpo.

O cheiro de terra. O cheiro de chuva. O cheiro do tempero do feijão da infância. O cheiro de quem se gosta. O acorde daquela risada que acorda tudo na gente.

Essas coisas, outras coisas. Todas, simples assim.

Ana Jácomo
quarta-feira, 6 de outubro de 2010

O dia perfeito

Uma noite dessas, você vai para a cama sabendo que viveu um dia perfeito, que fez o que devia e queria fazer para avançar sua vida e a daqueles com você; um dia no qual você esteve ao lado das pessoas certas e no qual você foi a pessoa certa de se estar ao lado; um dia no qual você dorme agarrado à quem você quer estar agarrado, que também adora viver isso com você.

Mas enquanto este dia perfeito não chega, você pode fazer com que partes dele aconteçam.

Talvez você não possa fazer tudo o que quer fazer, então faça hoje o que você deve fazer. Talvez você não possa estar ao lado das pessoas certas, mas pode ser a pessoa certa de se estar ao lado; talvez você não vá dormir agarrado a quem você ama, mas pode dar o primeiro passo em direção a esta pessoa.

Uma noite dessas, você vai para a cama sabendo que viveu um dia perfeito.

Mas hoje à noite, dependendo do que você fizer, você pode ir para a cama sabendo que fez o que deveria fazer, foi quem deveria ser e moveu-se para a direção que queria se mover.

Hoje à noite você pode deitar a cabeça no travesseiro e dizer: estou mais próximo, ou próxima, de um dia perfeito. E isso, aliado ao fato de estar vivo, somente isso, já torna este um dia quase perfeito!

Aldo Novak

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Abaixo as Regras! O Amor é Fora da Lei...

Quem, neste mundo, ainda não desejou encontrar um manual, um livro que dissesse como fazer, o que dizer, de que maneira se comportar diante da pessoa amada ou de um sentimento confuso?!? Quem nunca desejou desesperadamente encontrar alguém que tivesse todas as respostas, que soubesse todas as regras?!?

É... desejo de todos nós... num daqueles momentos em que parece que tudo o que sabemos, tudo o que vivemos e tudo o que ouvimos de nada nos serve! Pois eu vou lhes dizer uma coisa: quando esse momento chegar em sua vida, agradeça ao Universo a oportunidade sublime que Ele está lhe dando...

Não conhecer as regras do amor é ótimo. Não ter todas as respostas é fundamental! Não saber o que fazer pode ser a sua grande chance. Simplesmente sinta, entregue-se e deixe acontecer. Confie na Sabedoria Divina, aceite as circunstâncias e “pague pra ver”!

Porque no final das contas, o amor é mesmo desregrado, desmedido, desvairado e muito despeitado. Chega como uma promessa de felicidade, mas vai, aos poucos, sabiamente, nos apontando cada um de nossos mais íntimos e secretos defeitos... como se, de repente, deixasse de ser felicidade...

No entanto, tenho descoberto, dia a dia, que há um propósito maior, uma lição escondida por trás do que já não parece mais ser felicidade, mas é! Felicidade é saber-se em processo de aprendizagem, é aceitar-se no caminho do crescimento... para somente então admitir-se egoísta, inseguro, ciumento, controlador, manipulador, chantagista, infantil e, ainda assim, superiormente digno de ser amado...

Porque não é preciso alcançar a perfeição para ser amado e nem para amar. Não é preciso ser sempre correto e sempre saber a resposta para ser, de verdade, feliz! Basta que saibamos que a felicidade está além do sorriso ou da lágrima, da alegria ou da dor... a felicidade é tudo o que somos, desde que nos aceitemos e aprendamos a nos acolher!

O amor é um caminho e um caminho só pode ser bom quando nos leva para dentro da gente mesmo. E quando a gente chega lá dentro, pode ver o quanto há para ser organizado, limpo, descartado, substituído e reformado.
Rosana Braga
segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Bem no fundo

No fundo, no fundo, bem lá no fundo, a gente gostaria de ver nossos problemas resolvidos por decreto.

A partir desta data aquela mágoa sem remédio é considerada nula e sobre ela, silêncio perpétuo, extinto por lei todo o remorso, maldito seja quem olhar pra trás, lá pra trás não há nada e nada mais.

Mas problemas não se resolvem, problemas têm família grande e aos domingos saem todos a passear: o problema, sua senhora e outros pequenos probleminhas.


Paulo Leminsky
domingo, 3 de outubro de 2010

A vida ensina

Se você pensa que sabe; que a vida lhe mostre o quanto não sabe. Se você é muito simpático, mas leva meia hora para concluir seu pensamento; que a vida lhe ensine que explica melhor o seu problema, aquele que começa pelo fim.

Se você faz exames demais; que a vida lhe ensine que doença é como esposa ciumenta: se procurar demais, acaba achando. Se você pensa que os outros é que sempre são isso ou aquilo; que a vida lhe ensine a olhar mais para você mesmo.

Se você pensa que viver é horizontal, unitário, definido, monobloco; que a vida lhe ensine a aceitar o conflito como condição lúdica da existência.Tanto mais lúdica quanto mais complexa.  Tanto mais complexa quanto mais consciente.Tanto mais consciente quanto mais difícil. Tanto mais difícil quanto mais grandiosa.

Se você pensa que disponibilidade com paz não é felicidade; que a vida lhe ensine a aproveitar os raros momentos em que ela (a paz) surge.

Que a vida ensine a cada menino a seguir o cristal que leva dentro, sua bússola existencial não revelada, sua percepção não verbalizável das coisas, sua capacidade de prosseguir com o que lhe é peculiar e próprio, por mais que pareçam úteis e eficazes as coisas que a ele, no fundo, não soam como tais, embora façam aparente sentido e se apresentem tão sedutoras quanto enganosas.

Que a vida nos ensine, a todos, a nunca dizer as verdades na hora da raiva. Que desta aproveitemos apenas a forma direta e lúcida pela qual as verdades se nos revelam por seu intermédio; mas para dizê-las depois. Que a vida ensine que tão ou mais difícil do que ter razão, é saber tê-la.

Que aquele garoto que não come, coma. Que aquele que mata, não mate. Que aquela timidez do pobre passe. Que a moça esforçada se forme. Que o jovem jovie. Que o velho velhe. Que a moça moce. Que a luz luza. Que a paz paze.

Que o som soe. Que a mãe manhe. Que o pai paie. Que o sol sole. Que o filho filhe. Que a árvore arvore. Que o ninho aninhe. Que o mar mare. Que a cor core. Que o abraço abrace. Que o perdão perdoe.

Que tudo vire verbo e verbe. Verde. Como a esperança. Pois, do jeito que o mundo vai, dá vontade de apagar e começar tudo de novo. A vida é substantiva, nós é que somos adjetivos.

Artur da Távola
sábado, 2 de outubro de 2010

Eu que não sei nada do mar

Garimpeira da beleza te achei na beira de você me achar
Me agarra na cintura, me segura e jura que não vai soltar
E vem me bebendo toda, me deixando tonta de tanto prazer
Navegando nos meus seios, mar partindo ao meio, não vou esquecer.

Eu que não sei quase nada do mar descobri que não sei nada de mim

Clara noite rara nos levando além da arrebentação
Já não tenho medo de saber quem somos na escuridão

Clara noite rara nos levando além da arrebentação
Já não tenho medo de saber quem somos na escuridão

Me agarrei em seus cabelos, sua boca quente pra não me afogar
Tua língua correnteza lambe minhas pernas como faz o mar
E vem me bebendo toda me deixando tonta de tanto prazer
Navegando nos meus seios, mar partindo ao meio, não vou esquecer

Eu que não sei quase nada do mar descobri que não sei nada de mim

Clara noite rara nos levando além da arrebentação
Já não tenho medo de saber quem somos na escuridão

Clara noite rara nos levando além da arrebentação
Já não tenho medo de saber quem somos na escuridão
Ana Carolina e Jorge Vercilo

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Coisas do mar

Dias inteiros de calmaria, noites de ardentia, dedos no leme e olhos no horizonte, descobri a alegria de transformar distâncias em tempo.

Um tempo em que aprendi a entender as coisas do mar, a conversar com as grandes ondas e não discutir com o mal tempo. A transformar o medo em respeito, o respeito em confiança.

Descobri como é bom chegar quando se tem paciência. E para se chegar onde quer que seja, aprendi que não é preciso dominar a força, mas a razão.

É preciso antes de mais nada querer.

Amyr Klink

Sobre mim

Minha foto
Claudia Mei
É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo. Clarice Lispector
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Pesquisa

Carregando...

Sitemeter

Visualizações de páginas

Tecnologia do Blogger.