segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Asas


 "Passarinho tem asas do lado de fora.

A gente do lado de dentro."

Ana Jácomo
sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Maneiras de amar


O rio passa ao lado de uma árvore, cumprimenta-a, alimenta-a, dá-lhe água... e vai em frente, dançando. Ele não se prende à árvore.

A árvore deixa cair suas flores sobre o rio em profunda gratidão, e o rio segue em frente.

O vento chega, dança ao redor da árvore e segue em frente. E a árvore empresta o seu perfume ao vento...

Se a humanidade crescesse, amadurecesse, essa seria a maneira de amar.

Osho

.
terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Voltando das férias

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Dai-me senhor


Senhor, dai-me serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar as coisas que não posso aceitar e sabedoria para esconder os corpos daquelas pessoas que eu tive que matar por estarem me enchendo o saco.

Também me ajude a ser cuidadoso com os calos em que piso hoje, pois eles podem estar conectados aos sacos que terei que puxar amanhã.

Ajude-me, sempre, a dar 100% no meu trabalho:

- 12% na segunda-feira,
- 23% na terça-feira,
- 40% na quarta-feira,
- 20% na quinta-feira,
- 5% na sexta-feira.

E ajude-me sempre a lembrar, quando estiver tendo um dia realmente ruim e todos parecerem estar me enchendo o saco, que são necessários 42 músculos para socar alguém e apenas 4 para estender meu dedo médio e mandá-lo para aquele lugar!

Que assim seja!!!

Viva todos os dias de sua vida como se fosse o último. Um dia, você acerta.

Luiz Fernando Veríssimo


.
sábado, 22 de janeiro de 2011

Dois rios

O céu está no chão
O céu não cai do alto
É o claro, é a escuridão

O céu que toca o chão
E o céu que vai no alto
Dois lados deram as mãos

Como eu fiz também
Só pra poder conhecer

O que a voz da vida vem dizer

Que os braços sentem
E os olhos vêem
Que os lábios sejam
Dois rios inteiros
Sem direção

O sol é o pé e a mão
O sol é a mãe e o pai
Dissolve a escuridão

O sol se põe se vai
E após se pôr
O sol renasce no Japão

Eu vi também
Só pra poder entender
Na voz da vida ouvi dizer

Que os braços sentem
E os olhos vêem
E os lábios beijam
Dois rios inteiros
Sem direção

E o meu lugar é esse
Ao lado seu, no corpo inteiro
Dou o meu lugar pois o seu lugar
É o meu amor primeiro
O dia e a noite as quatro estações

Skank





.

Busque um amante



Ei, você aí, dormiu bem essa noite? Não? Teve insônia? Hum ... Está se sentindo apático, pessimista, com crises de choro, ou as mais diversas dores?

A vida, então, está monótona, sem perspectivas? E você que está só trabalhando pra sobreviver e não sabe nem o que fazer com o tempo livre?

Aiii ... são sintomas típicos da depressão.

Pra esse quadro, um terapeuta espanhol vem receitando uma coisa simples, mas que as vezes assusta: um amante!

É, isso causa um certo espanto e até indignação. E pra quem sai da consulta escandalizado, o terapeuta explica (eu adoro essa explicação dele, preste atenção):

Amante é aquilo que nos apaixona. É o que toma conta do nosso pensamento antes de pegarmos no sono e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir.

O nosso amante é aquilo que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida.

Às vezes encontramos o nosso amante em nosso parceiro. Outras, em alguém que não é o nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis...

Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica, ou na literatura, na música, na política, no esporte, no trabalho, na espiritualidade, na boa mesa, no estudo, ou no prazer do passatempo predileto...

Enfim, amante é " alguém " ou " algo " que nos faz namorar! Nos faz namorar a vida e nos afasta do triste destino de ... ahhh ... "ir levando".

E o que é "ir levando" ? "Ir levando" é ter medo de viver. É o vigiar a forma como os outros vivem - o vizinho. É o se deixar dominar pela pressão, tomar remédios multicoloridos, afastar-se do que é gratificante, observar, até decepcionado, cada ruga nova que o espelho mostra. É se aborrecer com o calor, ou com o frio, com a umidade, com o sol, ou com a chuva.

"Ir levando" é adiar a possibilidade de desfrutar o hoje, fingindo se contentar com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo. Quando? Amanhã? Ah, por favor, não se contente com "ir levando"!.

Procure um amante, ou uma amante, e seja também um amante e um protagonista da sua vida...

Acredite, o trágico não é morrer, afinal, a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém!

O trágico é desistir de viver; por isso, e sem mais delongas, procure hoje mesmo um amante.

A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo transcendental: "para se estar satisfeito, ativo e sentir-se jovem e feliz, é preciso namorar a Vida. "

Então, ame!

Dr. Jorge Bucay

.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Vida


Temos todos duas vidas. Uma é a que você sonha, e a outra é a que você vive.

Cada vida tem o seu substancial que a difere.

Numa das vidas você não tira os pés do chão, já nessa outra vida que você tem você não tira os pés das nuvens.

Assim como qualquer pessoa na face da terra você também tem seus dias, que às vezes demoram a passar, mas ao se deitar na cama, ou talvez mesmo durante o seu dia, você 'foge' para essa outra vida que não é a real. Essa outra vida é a que nos faz planejar, esquecer e apreciar até onde a nossa mente pode nos levar, ela é também uma vida que deixa a nossa vida, a real, mais leve, mais suportável e transparente.

Todos têm o dia-a-dia, que nos desgasta, consome e enfraquece, mas também temos dias revigorantes, que com orgulhos muitos, ou poucos de nós podem dizer que foram fechados com chave de ouro, e caímos na cama, fechamos os olhos, e voltamos à outra vida, a vida da imaginação, de poder reviver mesmo que por alguns segundos, minutos ou horas, em sonhos aquilo que nos foi de maior agrado.

A vida dos sonhos é de uma simplicidade irreal, propriamente dita.

A vida real parece menos colorida, menos alegre, menos qualquer coisa se comparada com a sua vida imaginável. Mas é a vida que eu e você temos de viver. Mesmo se você é capaz de sonhar, você também é capaz de viver. Você tem apenas que intercalar essas duas vidas, separando sem separar, o real do irreal. Montando o que podemos chamar de partes que completam em distintos momentos um mesmo objetivo.

Qualquer um pode sonhar, mas os sonhos precisam da vida real para existir, sem um não há outro. Ninguém, consegue chorar por fora e sorrir por dentro. Ninguém consegue tocar algo imaginável e sentir como se fosse real.

Concilie a duas vidas. Quando sonhamos vivemos o que queremos, mas nada é real. Quando acordamos, a tal vida que estávamos se vai como bolhas de sabão no ar. A vida que realmente queríamos se desfaz. É impossível apenas de sonhos vivermos.

Sempre se é novo ou velho demais para deixar viver os seus sonhos.

A vida é tudo o que fazemos dela.

Autor desconhecido

.
quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Ah, o verão!!!


Verão também é sinônimo de pouca roupa e muito chifre, pouca cintura e muita gordura, pouco trabalho e muita micose.

Verão é picolé de Kisuco no palito reciclado, é milho cozido na água da torneira, é coco verde aberto pra comer a gosminha branca.

Verão é prisão de ventre de uma semana e pé inchado que não entra no tênis.

Mas o principal ponto do verão é... a praia! Ah, como é bela a praia. Os cachorros fazem cocô e as crianças pegam pra fazer coleção. Os casais jogam frescobol e acertam a bolinha na cabeça das velhas.Os jovens de jet ski atropelam os surfistas, que por sua vez, miram a prancha pra abrir a cabeça dos banhistas.

O melhor programa pra quem vai à praia é chegar bem cedo, antes do sorveteiro, quando o sol ainda está fraco e as famílias estão chegando. Muito bonito ver aquelas pessoas carregando vinte cadeiras, três geladeiras de isopor, cinco guarda-sóis, raquete, frango, farofa, toalha, bola, balde, chapéu e prancha,
acreditando que estão de férias.

Em menos de cinqüenta minutos, todos já estão instalados, besuntados e prontos pra enterrar a avó na areia...

E as crianças? Ah, que gracinhas! Os bebês chorando de desidratação, as crianças pequenas se socando por uma conchinha do mar, os adolescentes ouvindo seus MP5s enquanto dormem.

As mulheres também têm muita diversão na praia, como buscar o filho afogado e caminhar vinte quilômetros pra encontrar o outro pé do chinelo.

Já os homens ficam com as tarefas mais chatas, como perfurar o poço pra fincar o cabo do guarda-sol. É mais fácil achar petróleo do que conseguir fazer o guarda-sol ficar em pé.

Mas tudo isso não conta, diante da alegria, da felicidade, da maravilha que é entrar no mar! Aquela água tão cristalina, que dá pra ver os cardumes de latinha de cerveja no fundo. Aquela sensação de boiar na salmoura como um pepino em conserva.

Depois de um belo banho de mar, com o rego cheio de sal e a periquita cheia de areia, vem aquela vontade de fritar na chapa. A gente abre a esteira velha, com o cheiro de velório de bode, bota o chapéu, os óculos escuros e puxa um ronco bacaninha. Isso é paz, isso é amor, isso é o absurdo do calor!!!!! Mas, claro, tudo tem seu lado bom.

E à noite o sol vai embora. Todo mundo volta pra casa tostado e vermelho como mortadela, toma banho e deixa o sabonete cheio de areia pro próximo.O Shampoo acaba e a gente acaba lavando a cabeça com qualquer coisa,desde creme de barbear até desinfetante de privada. As toalhas, com aquele cheirinho de mofo que só a casa da praia oferece.

Aí, uma bela macarronada pra entupir o bucho e uma dormidinha na rede pra adquirir um bom torcicolo e ralar as costas queimadas.

O dia termina com uma boa rodada de tranca e uma briga em família.

Todo mundo vai dormir bêbado e emburrado, babando na fronha e torcendo, pra que na manhã seguinte, faça aquele sol e todo mundo possa se encontrar no mesmo inferno tropical.

Atribuido a Luis Fernando Veríssimo
Imagens Gustavo Rosa

.
segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O amor...


É difícil para os indecisos.
É assustador para os medrosos.
Avassalador para os apaixonados!

Mas os vencedores no amor são os fortes.
Os que sabem o que querem e querem o que têm!

Sonhar um sonho a dois, e nunca desistir da busca de ser feliz, é para poucos!!

Cecília Meireles

.
sábado, 15 de janeiro de 2011

Amar é...

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

As sem - razões do amor


Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.



Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.


Carlos Drumond de Andrade
quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

A sua crença é a sua sentença






Tenho insistido, há bastante tempo, que atraímos para nossas vidas pessoas que correspondam às nossas crenças internas, aquelas mais enraizadas em nosso subconsciente, ou seja, as que nem sempre ou não facilmente nos damos conta de que alimentamos e, principalmente, que agimos e fazemos escolhas nos baseando nelas.

Estou cada dia mais segura de que as relações que estabelecemos em cada fase de nossas vidas são atraídas e determinadas por nossas verdades pessoais, por aquilo que acreditamos ser consistente, coerente, aceitável.
 
Até aí, parece muito fácil identificarmos, então, o que é que determina tais relações. Entretanto, tanto quanto estou certa de que a nossa crença é a nossa sentença, também estou certa de que é somente com muito autoconhecimento, coragem e disponibilidade para decifrar nossos mais profundos conceitos, que poderemos conhecer nossas crenças e transformá-las.

Geralmente (eu diria até que na maioria das vezes), bem pouco ou quase nada sabemos sobre as crenças que fomos absorvendo especialmente nos primeiros 20 anos de nossas vidas. Este é um tempo em que as pessoas mais próximas de nós sempre têm algo de si mesmas para nos dar como verdade, seja através de palavras ou de atitudes. Assim, absorvemos delas o que não necessariamente é verdadeiro para nós.

Somente a partir do momento em que nos reconhecemos como adultos e inteiramente responsáveis por nossas próprias vidas (sem ficar culpando pai, mãe, destino, condição social, física ou financeira ou quem quer que seja por nossos fracassos) é que podemos encarar este amontoado de crenças e, definitivamente, começar a botar fora o que não nos serve de nada, adequar aquilo que nos convém e assumir inteiramente aquilo em que realmente acreditamos. Neste momento, podemos escolher conscientemente, propositadamente, as nossas crenças e, assim, decidir a nossa sentença.
 
Tudo isso pra dizer que o amor que você oferece, o jeito com que você o recebe e as relações que você vive têm absolutamente tudo a ver com as suas crenças sobre o que venha a ser afeto, namoro, casamento, carinho, companheirismo, fidelidade, confiança, respeito e admiração.

Não basta afirmar e reafirmar, o tempo todo, indiscriminadamente, que você quer encontrar uma pessoa para compartilhar sua vida, que você deseja que seu casamento dê certo, que tudo o que você mais quer é ser feliz no amor se, de verdade, contundentemente, você não acredita nesta possibilidade.
 
Talvez você ache que acredita; talvez você até queira mesmo acreditar; mas é preciso mais do que achar ou querer; é preciso transformar suas crenças internas. Decifrá-las, reconhecê-las, admiti-las como suas e, através de um trabalho profundo e dedicado, vomitá-las enquanto venenos e reabsorvê-las como crenças positivas, que levem você ao sucesso, à realização e à certeza absoluta de que é possível conquistar o que você deseja.

Como fazer isso? Eu gostaria muito de lhe dizer que é fácil, mas não posso; estaria mentindo. Mas posso dizer que é totalmente possível, o que talvez já seja mais do que você acredita. Você precisa iniciar um processo de auto-observação durante o máximo de tempo que conseguir. Precisa fazer isso com o coração aberto: sem se criticar nem se defender. Não se culpe e nem se absolva, apenas se observe.
 
Por exemplo: O que você realmente pensa (aquela parte mais dentro de você que você consegue ouvir) quando alguém lhe conta sobre uma relação que está dando super certo? Pensa: nossa, que legal, tomara que continue assim e que eles sejam cada dia mais felizes... ou até parece!!! Nenhuma relação dá tão certo assim... ele só pode estar exagerando ou inventando...?!?
 
Ou ainda, o que você pensa quando alguém lhe diz que muitos homens querem assumir um compromisso e que muitas mulheres não são interesseiras? Pensa: que bom que existem pessoas disponíveis e bem intencionadas! ou ah, tá... e eu sou o papai-noel...?!?

Este é um bom começo para você saber em quê realmente acredita. Porque aquela voz que você ouve bem baixinho, com som abafado, falando coisas o tempo todo dentro de você, mas que você geralmente maquia, mascara, reformula e expressa de um outro jeito, é a que melhor decifra as suas verdadeiras crenças... Preste atenção, pense nisso!!!
 
Você poderá se sentir flagrado e até envergonhado diversas vezes, como se estivesse ficando nu diante de si mesmo e enxergando crenças que nunca teve coragem de admitir que guardava aí dentro... mas somente depois de apoderar-se de cada uma delas, é que você saberá onde colocá-las: dentro ou fora de você.

Meu desejo é que você comece a acreditar - de fato - que amar e ser amado é possível. Que o primeiro passo é você quem deve dar... e que daqui por diante, você saiba: o tipo de amor que você atrai é justamente aquele que corresponde com suas crenças internas. Ou seja, o amor no qual você acreditar é o amor que você terá!

Rosana Braga



terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Viva hoje


Goze este dia porque é a vida. A própria vida da vida. 

Em seu breve transcurso, você encontrará todas as realidades e verdades da existência: a sorte do crescimento, o esplendor da criação, a glória do poder. 

Porque o ontem é só um sonho e o amanhã, só uma visão. 

Porque o hoje, bem vivido, faz do ontem um sonho de felicidade e de cada manhã uma visão de esperança.

Antigo texto sânscrito

.
sábado, 8 de janeiro de 2011

Deixe-se em paz


Que mania a gente tem de fazer listinha de resoluções, como se uma simples virada de ano bastasse para nos transformar em uma pessoa mais completa

Geralmente é o que se deseja intimamente: paz para o mundo, paz para todos, paz para os torcedores, paz para os moribundos, paz para os iraquianos. É um desejo legítimo, mas qual a nossa contribuição prática para ajudar a construir uma serenidade universal? O máximo que podemos fazer é garantir nossa própria paz. Portanto, esses são os meus votos: deixe-se em paz.

Parece uma frase grosseira, mas é apenas um desejo sincero e generoso. Deixe-se em paz. Não se cobre por não ter realizado tudo o que pretendia, não se culpe por ter falhado em alguns momentos, não se torture por ter sido contraditório, não se puna por não ter sido perfeito. Você fez o melhor que podia.

Aproveite para estabelecer metas mais prosaicas para o futuro que virá, ou até meta nenhuma. Que mania a gente tem de fazer listinha de resoluções, prometer mundos e fundos como se uma simples virada de ano bastasse para nos transformar numa pessoa mais completa e competente. Você será o que sempre foi – e isso já é muito bom, pois presumo que você não seja nenhum contraventor, apenas não consegue dar conta de todos os seus bons propósitos, quem consegue? Às vezes não dá. Vá no seu ritmo, siga sendo quem é, não espere entrar numa cabine e sair de lá vestido de super-homem ou de supermulher. Deixe de fantasias. Deixe-se em paz.

Se quer tomar alguma resolução, resolva ajudar os outros, fazer o bem, dedicar-se à coletividade, seja mais solidário. Não deixe os menos favorecidos na paz do abandono, na paz do esquecimento. Mas esquecer um pouco de você mesmo, pode. Deve. Não se enquadre em comportamentos que não lhe caracterizam, não se enjaule por causa de decisões das quais já se arrependeu, não se arrebente por causa de questionamentos incessantes. Liberte-se desses pensamentos todos, dessa busca sofrida por adequação e ao mesmo tempo por liberdade. Nossa, ser uma pessoa adequada e livre ao mesmo tempo é uma senhora ambição. Demanda a energia de uma usina. Será mesmo tão necessário pensar nisso agora? Deixe-se em paz.

Não dê tanta importância à melhor roupa para vestir, à melhor frase para o primeiro encontro, às calorias que deve queimar, à melhor resposta para quem lhe ofendeu, às perguntas que precisa fazer para se autoconhecer. Chega de se autoconhecer. Deixe-se em paz.

No fundo, estou escrevendo pra mim mesma. Não me deixo em paz. Estou sempre avaliando se agi certo ou errado, cultivo minhas dúvidas com adubo e custo a me perdoar. Tenho passe livre para o céu e também para o inferno. Preciso me deixar em paz, me largar de mão, me alforriar.

Só falta alguém ensinar como é que se faz isso.

Martha Medeiros

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

O que eu também não entendo


Essa não é mais uma carta de amor
São pensamentos soltos traduzidos em palavras
Pra que você possa entender
O que eu também não entendo

Amar não é ter que ter sempre certeza
É aceitar que ninguém é perfeito pra ninguém
É poder ser você mesmo e não precisar fingir
É tentar esquecer e não conseguir fugir, fugir


Já pensei em te largar
Já olhei tantas vezes pro lado
Mas quando penso em alguém é por você que fecho os olhos
Sei que nunca fui perfeito mas com você eu posso ser
Até eu mesmo que você vai entender

Posso brincar de descobrir desenho em nuvens
Posso contar meus pesadelos e até minhas coisas fúteis
Posso tirar a tua roupa
Posso fazer o que eu quiser
Posso perder o juízo
Mas com você eu tô tranquilo, tranquilo

Agora o que vamos fazer, eu também não sei
Afinal, será que amar é mesmo tudo?
Se isso não é amor, o que mais pode ser?
Estou aprendendo também

Jota Quest





quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Alma gêmea


Uma alma gêmea é alguém cujas fechaduras coincidem com nossas chaves e cujas chaves coincidem com nossas fechaduras.

Quando nos sentimos seguros a ponto de abrir as fechaduras, surge o nosso eu mais verdadeiro e podemos ser completa e honradamente quem somos.

Cada um descobre a melhor parte do outro.

Richard Bach

.
sábado, 1 de janeiro de 2011

Feliz olhar novo

O grande barato da vida é olhar pra trás e sentir orgulho da sua história. O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o AQUI e AGORA!

Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o bolo sola, o pneu fura, chove demais. Mas... Pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia? Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho? Tá certo, eu sei, Polyanna é personagem de ficção, hiena come porcaria e ri, eu sei. Não quero ser cego, burro ou dissimulado. Quero viver bem. 2010 foi um ano cheio. Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões... Normal.

Às vezes se espera demais das pessoas... Normal. A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor que acabou...Normal. 2011 não vai ser diferente.

Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com o seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança? O que eu desejo pra todos nós é sabedoria, é que todos nós saibamos transformar tudo em uma boa experiência!

Que todos consigamos perdoar o desconhecido, o mal educado. Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim. Entender o amigo que não merece nossa melhor parte. Se ele decepcionou, passa pra categoria 3, a dos amigos. Ou muda de classe, vira colega. Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém. O nosso desejo não se realizou? Beleza, não tava na hora, não deveria ser a melhor coisa pra esse momento (me lembro sempre de uma frase que adoro: 'Cuidado com seus desejos, eles podem se tornar realidade').

Chorar de dor, de solidão, de tristeza, faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso. Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, as coisas ficam diferentes...

Desejo pra todo mundo esse olhar especial. 2011 pode ser um ano especial se nosso olhar for diferente. Pode ser muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos, e dermos a volta nisso.

Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro. 2011 pode ser o bicho, o máximo, maravilhoso, lindo, maneiro, especial... Pode ser puro orgulho. Depende de mim! De você! Pode ser. E que seja!!!

Que a virada do ano não seja somente uma data, mas um momento para repensar tudo o que fizemos e que desejamos, afinal sonhos e desejos podem se tornar realidade somente se fizermos jus e acreditarmos neles!

Autoria desconhecida

Sobre mim

Minha foto
Claudia Mei
É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo. Clarice Lispector
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Pesquisa

Carregando...

Sitemeter

Visualizações de páginas

Tecnologia do Blogger.